Igrejas e eleições

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 11/03/2017 às 00:17:00

Rita Oliveira

 

Igrejas e eleições

 

O uso do poder econômico e a influência que as igrejas exercem em grande parte da sociedade brasileira estão na mira do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A corte eleitoral estuda uma cláusula para bloquear esta relação entre religião e cargos eleitorais, principalmente quando envolve dinheiro.

À agência Reuters, o ministro Gilmar Mendes, presidente do TSE, afirmou que há um uso da religião para influenciar as eleições. Neste caso, não se trata apenas de uso dos recursos financeiros das igrejas, mas da própria estrutura física dos templos.

“Depois da proibição das doações empresariais pelo Supremo Tribunal Federal (STF), hoje quem tem dinheiro? As igrejas. Além do poder de persuasão. O cidadão reúne 100 mil pessoas num lugar e diz ‘meu candidato é esse’. Estamos discutindo para caçar isso”, disse o ministro à agência.

Está na mira do TSE ainda as doações das igrejas para financiamento de campanhas, ou até mesmo a influência dos líderes religiosos para que os próprios fiéis doem para os candidatos. Segundo Gilmar Mendes, há nas igrejas um potencial para abuso de poder econômico de “difícil verificação”, e existe a necessidade do TSE agir.

Atualmente, a Frente Parlamentar Evangélica do Congresso tem 181 deputados e quatro senadores participantes. Na Câmara dos Deputados, a bancada evangélica em 1998 era composta por 47 deputados. Em 2014, foram eleitos 80. Segundo o IBGE, os evangélicos representam 22% dos brasileiros.

Como no país, o segmento evangélico em Sergipe é muito forte. No estado, os membros de maior expressividade política estão no PRB, que tem como líderes o ex-prefeito e ex-deputado federal Heleno Silva e o deputado federal Jony Marcos, que é um dos 181 evangélicos na Câmara dos Deputados.

Nas eleições de 2016, o agrupamento político de Heleno e Jony, que são pastores da Igreja Universal, elegeu como vereador em Aracaju o pastor Alves (PRB). Além dos prefeitos de Aquidabã, Monte Alegre e Poço Redondo.

Em 2018, o segmento evangélico que lidera o PRB tem a pretensão de compor a chapa majoritária governista com o nome de Heleno Silva como candidato a senador.

O PEN em Sergipe também tem muitos evangélicos, como a ex-vereadora de Aracaju Daniela Fortes e o ex-deputado estadual Daniel Fortes. O PSC tem o suplente de senador, o pastor Virgílio Carvalho (PSC), que assumiu recentemente a cadeira de Maria do Carmo Alves (DEM) no Senado, e o deputado estadual Antônio dos Santos. 

Os evangélicos que se cuidem! (Com o Congresso em Foco)

............................................................................................

Na Codise

Chegou ontem informação à coluna que o ex-gerente geral da Petrobras em Sergipe, Eugênio Dezen, deve assumir a presidência da Codise no lugar de Rosman Farias, que assumirá na próxima semana a presidência da Fundação Hospitalar de Saúde (FHS). O critério seria o técnico.

 

Mudança

Segundo a fonte, o governador Jackson Barreto (PMDB) já teria convidado Dezen e pretende oferecer a Segrase ao ex-deputado federal Bosco Costa (Pros), que já tinha convidado para assumir a Codise no lugar de Rosman.

 

Desconhece a mudança

Ontem, em conversa com a coluna, Bosco Costa disse que a única coisa que tem conhecimento é que o governador o convidou para assumir a Codise agora em março e que ele aceitou. Disse que está aguardando um novo contato do governador.

 

Tranquilo

De acordo com Bosco, não tem problema algum se ele não assumir a presidência da Codise. Garante que não está preocupado com cargos, pois está acostumado a não ter. 

 

Malas prontas?

O deputado federal Adelson Barreto (PR) pode ser o próximo parlamentar da oposição a integrar a bancada do governo. Se confirmado isso, o governador Jackson Barreto (PMDB) passará a ter uma bancada de seis dos oito deputados federais, ficando na oposição apenas André Moura (PSC) e Valadares Filho (PSB).

 

Na base governista

Segundo uma fonte, Adelson Barreto Filho (PR), o Tijói, que já na próxima semana assume mandato de deputado estadual, vai integrar a bancada governista na Assembleia. Na sessão do pleno do Tribunal de Justiça do Estado da última quarta-feira, foi assegurado ao ex-vereador, que é suplente de deputado estadual, assumir o mandato na Alese.

 

Com o aliado de JB

Ontem Adelson Barreto já esteve com o prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB). Na visita, Adelson apresentou as duas emendas que destinou para Aracaju, que juntas somam R$ 2 milhões. Os recursos, voltados para a Saúde (R$ 1 milhão) e para a Infraestrutura (R$ 1 milhão), serão liberados até o final deste ano.

 

Colhendo frutos

Para o prefeito, a apresentação das emendas é resultado das visitas que fez aos gabinetes de todos os deputados federais e senadores sergipanos, no mês passado, quando solicitou o empenho da bancada do Estado em prol da capital. “Fico muito feliz com a visita do deputado Adelson Barreto. É a demonstração do compromisso que ele tem com Aracaju. É também a prova de que já descemos do palanque eleitoral e de que nossa atuação é em benefício do nosso povo. Fico muito grato ao deputado”, declarou.

 

Vale lembrar

O deputado Adelson Barreto já não compareceu a última reunião da oposição em Sergipe, realizada em fevereiro. Marcaram presença apenas os senadores Antônio Carlos Valadares (PSB) e Eduardo Amorim (PSDB); o deputado federal Valadares Filho (PSB); e os deputados estaduais Venâncio Fonseca (PP), Georgeo Passos (PTC), Antônio dos Santos (PSC) e Luciano Pimentel (PSB).

 

No Senado

O Senado divulgou ontem a composição das comissões atualizada até o início da noite de quinta-feira (9). O senador Antônio Carlos Valadares (PSB) está como membro das comissões de Serviços de Infraestrutura (CI) e Desenvolvimento Regional e Turismo (CDR). Já o senador Eduardo Amorim (PSDB) como membro das comissões de Assuntos Sociais (CAS), Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), e Agricultura e Reforma (CRA).

 

Nota da Fames 1

A Federação dos Municípios do Estado de Sergipe (Fames) divulgou ontem nota mediante informação do Tribunal de Contas de Sergipe de que 17 prefeitos de municípios com menos de 20 mil habitantes recebem acima de R$ 30 mil de salário e que isso fere o princípio da razoabilidade pelo pagamento de salários desproporcionais à realidade local, quanto ao seu tamanho e à sua condição financeira.

 

Nota da Fames 2

Diz a nota: “Segundo o artigo 37 de nossa Carta Magna, nenhum salário de servidor público deve ultrapassar a remuneração dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Isso significa que o teto do funcionalismo público, hoje, equivale a R$ 33.763,00. Na relação exposta pelo TCE, nenhum prefeito de Sergipe recebe acima desse valor, que é fixado de acordo com leis municipais próprias, mas sempre respeitando o limite do Teto. Portanto, não há nenhuma irregularidade nos valores percebidos por alguns gestores sergipanos, uma vez que não se pode diferenciar impostos A ou B. Ou seja, o mesmo imposto que custeia o salário dos prefeitos, é o mesmo que paga os salários dos demais agentes públicos, políticos e até mesmo integrantes dos tribunais”.

 

Eleição suplementar

Nesse domingo cinco municípios do Rio Grande do Sul terão novas eleições para eleger prefeitos e vice-prefeitos: Arvorezinha, Butiá, Gravataí, Salto do Jacuí e São Vicente do Sul. A nova escolha se faz necessária porque, nesses locais, os candidatos mais votados no pleito de outubro de 2016 tiveram os registros de suas candidaturas cassados pela Justiça Eleitoral. Pelo mesmo motivo, no dia 02 de abril haverá eleição em Carmópolis.

 

Veja essa...

O ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, preso em Bangu pelo seu envolvimento na Lava Jato, pagava até mesadas para ex-sogra e ex-cunhada com dinheiro de propina. O documento apreendido pela Polícia Federal aponta depósitos mensais de R$ 7.500 para cada uma, conforme revelou o jornal Estado de S. Paulo.

 

CURTAS

Está agendado para a próxima quarta-feira, em Brasília, o encontro do governador Jackson Barreto (PMDB) com o líder do governo no Congresso Nacional, deputado federal André Moura (PSC). Será às 11h, no gabinete da liderança do governo no Congresso.

 

Foi Jackson Barreto quem solicitou a André um encontro para tratar das questões de Sergipe. O foco agora do governador é para o início das obras do Canal de Xingó, que vai resolver a crise hídrica de Sergipe.

 

Para o líder do governo na Câmara de Aracaju, vereador Antônio Bittencourt (PCdoB), a tentativa de se instalar uma CPI sobre a contratação das empresas de limpeza pública tem natureza exclusivamente político-eleitoral e atende a uma “agenda oculta” de uma parte da oposição que não se conforma com a derrota nas urnas no último pleito.

 

Será hoje, em Canindé do São Francisco, a missa de sétimo dia do ex-prefeito Orlandinho Andrade. Ocorrerá às 19h, na Igreja Matriz. Em Aracaju, a missa será na próxima segunda-feira, às 19h, na Igreja Jesus Ressuscitado.

 ----------------

O ex-deputado federal Bosco Costa (Pros) ainda não bateu o martelo se disputará novamente as eleições em 2018 para a Câmara dos Deputados. Diz que vai fazer uma avaliação, pois perdeu duas boas eleições e não concorda com a grande quantidade de partidos no país (35). “Não serei candidato por ser”, disse.

Segundo Bosco, quando exerceu mandato de deputado federal fez vários discursos defendendo uma reforma política na Câmara. “Vejo que ninguém tá nem ai. Se tivesse pensando nisso, o Brasil não estaria nesse buraco”, disse, enfatizando que recentemente quando assumiu mandato por quatro meses voltou a falar da necessidade de uma reforma política, assim como da seca no Nordeste; do risco da transposição do São Francisco, que pode secar o rio; e da possibilidade do transporte de carga parar no país por falta de compromisso do governo.