Operação Pipa leva água para 160 mil pessoas do sertão

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 17/03/2017 às 00:11:00

44 caminhões-pipa, da operação do Governo do Estado, estão ajudando moradores de áreas rurais do Alto Sertão sergipano a minimizar os efeitos da seca. São 160.000 pessoas beneficiadas com água potável por meio de um trabalho diário e investimento mensal de R$ 418.000. Atualmente, os municípios de Poço Redondo, Canindé do São Francisco, Porto da Folha, Gararu, Monte Alegre, Nossa Senhora da Glória e Carira são abastecidos.

Um dos beneficiados é o agricultor Pedro Alexandre da Silva, morador do povoado Morro Vermelho, em Poço Redondo. Sem uma gota de água em sua propriedade, devido aos efeitos da seca e a à falta de chuva na região, o produtor rural viu a cisterna da sua casa ser completamente abastecida de água potável trazida por um dos caminhões-pipa enviados pelo Governo de Sergipe.

A agricultora Cleonice da Silva, que vive no assentamento Paraíso II, também em Poço Redondo, conta que fica alegre ao ver o caminhão-pipa chegando em sua propriedade. “Agradeço muito por essa água e queria que viesse mais. Se tivéssemos que comprar, pagaríamos muito caro. De modo que essa ação do governo é uma ajuda a mais e proporciona que possamos abastecer os animais”, disse. O marido dela, Djenal de Barros, acredita que a atual seca é a pior de todas e comenta que há seis anos não há chuva significativa na região. “Estamos na pior. A chuva, quando cai, é muito pouca. Se não fosse a ajuda do governo, seria ruim demais”.

Poço Redondo é um dos municípios sergipanos que decretou situação de emergência, critério de atendimento adotado pelo Governo de Sergipe para identificar localidades que necessitam de abastecimento de água. A informação é do coordenador estadual da Defesa Civil, coronel Erivaldo Mendes, que também explica que outro quesito utilizado é a análise das comunidades que não têm acesso a abastecimento por parte da Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso) e só recebem água da chuva ou por meio de caminhões-pipa.

“Nós ofertamos água de acordo com a quantidade de pessoas que nos é informada pelos municípios e vistoriamos para confirmar os dados. Oferecemos 20 litros de água por dia e por pessoa. De modo que, se uma família tem cinco pessoas, ela tem direito a 100 litros por dia. Essa água é colocada em uma cisterna escolhida pela Defesa Civil e as pessoas que moram próximo vão pegar sua cota de água. Ou seja, não entregamos de casa em casa. Esse tipo de atendimento só quem faz é o sistema de distribuição da Deso. O nosso é um método coletivo, assim como o Exército também faz, e é um padrão internacional. Outro detalhe é que a população que recebe a água da operação é chamada difusa, pois mora na zona rural, isolada no contexto do Sertão, e não tem água encanada da Deso”, esclareceu o coronel Erivaldo Mendes, acrescentando que a operação não tem data de encerramento e será assegurada enquanto durar a estiagem.

A Operação Pipa é realizada pelo Departamento Estadual de Proteção e Defesa Civil (Depec) da Secretaria de Estado da Mulher, Inclusão e Assistência Social, do Trabalho e dos Direitos Humanos (Seidh). Na sexta, sábado e domingo passados, as comunidades atingidas pela seca receberam os tickets para distribuição de água.