Greve dos médicos completa dois meses

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 22/03/2017 às 00:15:00

A greve geral dos médicos que atentem ao Sistema Único de Saúde (SUS), de Aracaju, completou ontem dois meses sem avanços e vasto prejuízo para milhares de pacientes. Somente neste período, as 43 unidades de saúde administradas pela prefeitura da capital sergipana deixaram de atender a cerca de 250 mil usuários do sistema. A categoria segue pleiteando na justiça o pagamento do salário referente ao mês de dezembro do ano passado que, conforme esclarecimentos do prefeito Edvaldo Nogueira, a administração municipal só poderá quitar o débito herdado pelo ex-prefeito João Alves Filho (DEM), em 12 parcelas a começar deste mês de março.

Sem acordo, os aracajuanos seguem migrando para o Hospital de Urgência de Sergipe (Huse) e contribuindo para a superlotação da maior unidade pública do estado. Segundo dados apresentados pela direção hospitalar, 80% dos registros superiores à capacidade funcional estão ligados exclusivamente com os casos considerados de baixa complexidade, ou seja, aqueles que deveriam ser acompanhados pela estrutura municipal por meio dos postos e demais departamentos coordenados pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS). Ainda de acordo com os números, dos 80% de registro na superlotação, pouco mais de 70% são oriundos de aracajuanos que buscaram o Huse diante da falta de atendimento nos postos administrados pela PMA.

De acordo com o Sindicato dos Médicos, 426 profissionais estão atuando em escala de greve, e assim devem permanecer até que a PMA se mobilize a favor do pleito apresentado pela categoria. Na tentativa de minimizar os problemas, a direção da SMS, com o aval do prefeito, decidiu investir 700 mil reais na contratação emergencial e temporária de 88 médicos; até a última sexta-feira, dia 17, 16 especialistas estavam nos postos atendendo aos pacientes. O Sindimed 'abomina' essa contratação por meio de Recibo de Pagamento Autônomo (RPA), e pede intervenção imediata por parte do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe, e do Ministério Público do Trabalho.