Prefeitura realiza ações de combate ao Aedes aegypti

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 22/03/2017 às 00:22:00

Apesar dos baixos índices de incidência das doenças causadas pelo Aedes aegypti registrados na cidade, a Prefeitura de Aracaju continua desenvolvendo ações de controle e combate ao mosquito. Visitas residenciais feitas por agentes de endemias, fiscalizações, aplicações de inseticidas, coletas de materiais e conscientização, são algumas das atividades realizadas rotineiramente.

Atualmente, são 253 agentes de endemias nas ruas combatendo o mosquito através do recolhimento de materiais que possam acumular água, além da aplicação do larvicida quando há necessidade. Esses profissionais são resultado do primeiro e único concurso público para o cargo específico, realizado em 2008, na gestão anterior do prefeito Edvaldo Nogueira. Na época, também foram sancionadas leis para intensificar o combate ao mosquito.

Também é utilizado o fumacê costal, que é a aplicação de inseticida feita manualmente por equipes carregando o equipamento nas costas. “A ação é feita de forma moderada devido à química liberada no meio ambiente, não só em períodos com maiores incidências, como também em temporadas que propiciam um maior aglomerado de pessoas, como o Carnaval”, explica a diretora de Vigilância em Saúde e coordenadora do Programa Municipal de Controle da Dengue, Taíse Cavalcante.

O inseticida é aplicado entre o final da tarde e início da noite, por ser o horário de maior movimentação do vetor e não haver radiação solar intensa, que pode desativar as partículas e cortar o efeito da substância aplicada. “Somente este ano, já aplicamos em mais de quatro mil quarteirões. Fazemos um trabalho complementar aos agentes de endemias. Enquanto eles combatem a larva, nós combatemos os mosquitos adultos”, explicou o supervisor de Endemias da Secretaria Municipal de Saúde, José Bonfim.

“Também precisamos deixar claro que a quantidade de inseticida que aplicamos não é prejudicial ao humano, nem mesmo aos alérgicos. Ainda assim, temos o cuidado quando passamos em locais de alimentação e hospitais, por exemplo. É um trabalho feito com muita segurança e direcionado ao mosquito”, completou.

 

Coleta de pneus - Somente em janeiro deste ano também foram recolhidos 5.391 pneus, 8% a mais do que no mesmo período do ano passado, eliminando assim, milhares de possíveis locais para proliferação do Aedes aegypti na cidade. A coleta é feita por caminhões, em borracharias, postos de gasolina e lojas do ramo cadastradas, e terrenos baldios, através de uma parceria da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb).

Inicialmente, todo o material é enviado para o Ecoponto, localizado no bairro Santa Maria, zona Sul de Aracaju. Em seguida, vão para o Reciclanip, um projeto implantado pela Anip (Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos), em São Paulo (SP), que destina de forma ambientalmente adequada os pneus inservíveis.

A Comissão de Controle de Infecção é outro serviço da Prefeitura para auxiliar no combate. Através dela, são planejados treinamentos e capacitações para os médicos da rede pública municipal, com o objetivo de atualizar e deixá-los preparados para cuidar dos pacientes. “Já realizamos alguns treinamentos, mas precisamos estar sempre repetindo e renovando. Também temos na Comissão médicos infectologistas à disposição para discutir os casos, responder questionamentos e tirar dúvidas que, porventura, apareçam”, esclarece Thiago Mendes, médico infectologista da Vigilância Epidemiológica de Aracaju.