Mendonça Prado critica atuação da polícia na Operação Babel

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 23/03/2017 às 00:22:00

O diretor-presidente da Empresa Urbana de Serviços Urbanos de Aracaju (Emsurb), Mendonça Prado, deu ontem explicações sobre a Operação Babel, deflagrada na terça-feira, 21, pelo Departamento de Crimes Contra Ordem Tributária (Deotap) que foi buscar documentos na empresa municipal. Foi durante entrevista ao programa George Magalhães, na Fan FM.

Mendonça Prado afirmou que está tranquilo com as investigações, mas se disse contra algumas atitudes da Polícia. “A delegada Daniele Garcia agiu de forma ilegal e desrespeitosa dizendo que ia prender um de nossos diretores se celebrasse algum contrato. Tivemos um final de semana violento e para buscar papéis vieram 10 delegados e vários policiais quando até mesmo o motoboy da SSP poderia pegá-los. Eu queria que todos estivessem na minha posição com a consciência tranquila e respaldado pela lei”, contou.

O diretor-presidente da Emsurb ainda questionou as investigações e pedidos de impedimentos por parte da delegada Danielle Garcia e do promotor do Ministério Público Estadual, Henrique Cardoso. “Não podemos ser coagidos porque a autoridade policial não quer essa ou aquela empresa. A Cavo está envolvida em um dos maiores escândalos da história do Brasil, a Lava Jato, e ainda assim o promotor pediu à Justiça que o contrato emergencial fosse estendido. Não vou me submeter a abuso de autoridade nenhum e vou processar os dois” afirmou.

Mendonça Prado criticou a forma com que a Cavo vem efetuando a limpeza pública da cidade. “A Cavo não limpa a cidade como deveria. É uma porcaria. Temos na nossa gestão mais de 20 notificações aplicadas contra a Cavo”, ressaltou.

O diretor-presidente da empresa municipal disse ainda que não admite que sua reputação construída em anos de serviço público seja maculada da forma que tentam. “Eu não paguei um centavo a Torre. Como me acusam de improbidade administrativa? Estou triste com isso. Não vou sair com minha imagem maculada por gente que não tem atitude”, disse.

"Estamos aguardando uma unificação das decisões da Justiça para podermos ter as direções de como agir porque sempre fazemos nossos processos da forma mais idônea possível e seguimos rigorosamente a lei", completou.