Laranjeiras debate possível fim da Petrobras/Fafen em Sergipe

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 23/03/2017 às 00:31:00

A convite do vice-presidente da Câmara de Laranjeiras, Jânio Dias, e aprovado pelos demais vereadores, representantes da Petrobras/Fafen em Laranjeiras proferiram palestra na sessão desta última terça-feira, 21, na Casa Legislativa e debateram sobre o possível encerramento das atividades ou a parada temporária e ainda a privatização da empresa, de acordo com o que prevê o Plano de Negócios do Governo Federal e a diretoria nacional da Petrobras.

O engenheiro Carlos de Farias Sebok expôs aos vereadores e ao público, que lotou a Câmara, o volume de atividades e produção da empresa em Laranjeiras e explicou os prejuízos ao município e ao Estado, caso a Petrobras/Fafen seja desativada ou privatizada. Entre as principais perdas, o palestrante destacou a arrecadação de impostos e o desemprego local e em Sergipe.

“Desde a década de 1990 a Petrobras vem realizando investimentos importantes nas fábricas de fertilizantes, mas em 2016 anunciou um plano de negócios e pretende encerrar as atividades em todas elas ou privatizar a empresa, o que geraria uma cadeia de prejuízos para a sociedade e para os Estados. Para se ter uma ideia, somente a fábrica de Laranjeiras é responsável pela metade da produção nacional de fertilizantes. Portanto, um negócio que dá lucro”, afirmou Sebok.

Ainda durante a visita à Casa Legislativa, quem também expôs a situação da Petrobras/Fafen foi o engenheiro Francisco Neto, que defendeu a manutenção das atividades. “A Petrobras/Fafen incentiva todo um ciclo econômico desta região, do Estado e do Brasil. Só nesta fábrica de Laranjeiras emprega em torno de 1.000 pessoas diretamente, mais a mão-de-obra indireta, e a expectativa é um faturamento de R$ 1bilhão. Então, por que encerrar as atividades ou privatizar?”, questionou.

Também explanaram a respeito dos prejuízos com o possível encerramento das atividades da Petrobras/Fafen em Sergipe o técnico em Manutenção, Ildefonso de Sá Barreto, e a diretora do Sindipetro, Márcia Bezerra, que pediram apoio aos representantes do legislativo e executivo municipal. Ambos reforçaram a falta de empenho da classe política estadual e nacional para impedir tais medidas do Governo Federal e da Petrobras.

Os vereadores tiveram a oportunidade de tirar suas dúvidas e ter uma visão maior do problema sob a ótica dos funcionários da Petrobras/Fafen, e se comprometeram em ir até o Chefe do Executivo Municipal visando somar forças para criar meios de tentar mostrar às autoridades estaduais e da própria empresa sobre a importância daquela unidade fabril para o município e o Estado de Sergipe. "Iremos nos somar para termos audiências com outras autoridades visando colaborar com a luta em prol da não desativação da Petrobars/Fafen em nosso município", disse o Presidente da Câmara, vereador Luciano da Várzea.