Sem acordo, médicos da PMA permanecem em greve

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 30/03/2017 às 00:29:00

Segue por tempo indeterminado a greve dos médicos da Prefeitura de Aracaju. A decisão foi anunciada ontem pela direção do Sindicato dos Médicos de Sergipe (Sindimed), que em assembleia voltou a protestar contra a proposta de parcelamento em 12 prestações do salário referente ao mês de dezembro, quando a PMA ainda era administrada pelo prefeito João Alves Filho (DEM). Com a continuidade do movimento, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) acredita que cerca de quatro mil pacientes seguem sem a devida assistência médica todos os dias.

A situação conflitante se arrasta desde o último dia 21 de janeiro, quando a categoria optou por deflagrar a paralisação que já prejudicou mais de 310 mil aracajuanos. Na tentativa de minimizar os efeitos negativos da greve, a administração da capital sergipana contratou, por meio de Recibo de Pagamento Autônomo (RPA), 88 médicos que custarão aos cofres públicos 704 mil reais; esse valor equivale apenas a um mês de atendimento. A direção sindical lamenta a contratação e garante que: caso o prefeito Edvaldo Nogueira desejasse suspender o movimento, poderia utilizar esse investimento para quitar parte do débito em aberto com a categoria.

A PMA entrou com uma ação judicial solicitando a deflagração de ilegalidade da greve. O processo foi protocolado no dia 16 deste mês, e negado pelo Tribunal de Justiça de Sergipe (TJ/SE), no último dia 22.

Confirmando a permanência da greve, os 43 postos de saúde administrados pela SMS, além dasUPAs Fernando Franco e Nestor Piva, seguem com escala de atendimento reduzido. Com isso, aracajuanos usuários do SUS seguem migrando para o Hospital de Urgência de Sergipe (Huse) e contribuindo para a superlotação da maior unidade pública do estado. Segundo dados apresentados pela direção hospitalar, 80% dos registros superiores à capacidade funcional estão ligamos exclusivamente com os casos considerados de baixa complexidade, ou seja, aqueles que deveriam ser acompanhados pela estrutura municipal por meio dos postos e demais departamentos coordenados pela Secretaria Municipal de Saúde.