Câmara arquivo pedido de CPI do Lixo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 31/03/2017 às 00:34:00

Com 16 votos contrários e apenas sete a favor da aprovação da CPI do Lixo, votada nesta quinta-feira, 30, na Câmara Municipal, o vereador Professor Bittencourt, líder do prefeito, defende que a Polícia Civil mantenha a investigação do processo instaurado em 2016 com todo o rigor. Para o parlamentar, a proposta da CPI foi um dispositivo de interesse político da oposição.

 “Os membros que assinaram o requerimento de CPI não solicitaram documentos ou esclarecimentos à prefeitura ou à Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb). Quando sugerimos a vinda de Mendonça Prado à Câmara, o líder da oposição protestou e queria que fosse em outra data. Quem está querendo esclarecimentos, não protesta a presença da pessoa que mais tem informações sobre isso”, salientou o líder do prefeito na CMA.

Professor Bittencourt esclareceu que é a favor da investigação, que já está sendo realizada pela Justiça e pela Polícia. “Queremos celeridade, seriedade e o compromisso da polícia, com natureza jurídica e técnica. A CPI do Lixo é, simplesmente, um instrumento de palanque eleitoral para satisfazer interesses externos e internos de pessoas que perderam a eleição e ainda não se deram conta disso, torcendo na perspectiva de enfraquecer a gestão”, afirmou.

Ainda, segundo o vereador, a situação do lixo é extrema, séria e será resolvida. “A população quer o lixo recolhido. Houve a ação judicial para que a atual empresa permanecesse por mais 70 dias, empresa essa que demonstrou absoluta incapacidade de executar sua tarefa. Estamos colaborando no sentido de cobrar à própria Emsurb e à Justiça. Foi feito um contrato emergencial dentro da legalidade, mas a Justiça pediu a manutenção da empresa, que foi notificada 20 vezes e teve paralisações diversas por não cumprir as obrigações legais e trabalhistas com os seus funcionários”, pontuou.

O líder do prefeito afirmou ainda que a cidade precisa e terá uma resposta. “Mas essa resposta não é a CPI. Isso só prolongará o problema e o palanque. A dimensão colocada pela polícia foi de caráter técnico e não de natureza política. A polícia está fazendo friamente e tecnicamente toda investigação, seguindo o rigor da legislação e sendo acompanhada pelos órgãos de fiscalização”, ressaltou Bittencourt.

 

Lamentou - O vereador líder da oposição, Elber Batalha, fez uma explanação didática com dados e documentos os quais comprovariam que desde 2005 existem informações deturpadas, contratos aditivados inconstitucionalmente, além de uma inúmera sequência de contratos emergenciais. Por conta da rejeição da CPI na Câmara, Elber e a bancada da oposição irão impetrar uma ação judicial para que a justiça determine a instalação da CPI do Lixo.

“Lamentamos profundamente que a Câmara de Aracaju não tenha o entendimento da gravidade das acusações em relação a coleta do lixo da nossa cidade. Nós estamos falando de milhões de reais do dinheiro do povo que foram destinados de forma errônea em todos esses anos de contratos emergenciais entre a Emsurb e as empresas. Vamos procurar agora os meios legais para que tudo seja prontamente esclarecido. Aracaju clama por explicações e merece clareza em saber como é destinado o dinheiro público em nossa cidade”, lamentou Elber.