Entidades fazem ato em defesa da Justiça do Trabalho

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 01/04/2017 às 00:45:00

Durante o ato público em defesa da Justiça do Trabalho nesta sexta-feira, 31, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Sergipe, Henri Clay Andrade, destacou que a terceirização e a reforma trabalhista resultam em perdas de Direitos Sociais trabalhistas; em golpe mortal na Justiça do Trabalho e aniquila a advocacia trabalhista.

Segundo Henri Clay, Michel Temer e o congresso nacional não têm legitimidade para implementar a terceirização e as reformas trabalhista e previdenciária. “Aprovaram a terceirização sorrateiramente e à revelia do povo. Isso não é democracia; isso é golpe aos direitos sociais.”

Henri Clay afirmou que a OAB sergipana é frontalmente contra as reformas e a terceirização e defende o referendo popular como pressuposto de validade para essas mudanças brutais na vida das pessoas.

 

Ato público - O ato público promovido pelo Tribunal Regional do Trabalho da 20a Região contou com o apoio integral da OAB/SE e grande participação dos advogados trabalhistas de Sergipe. Eles demonstraram união em defesa da Justiça do Trabalho aos virulentos ataques sofridos. Para o presidente da OAB/SE, a Justiça do Trabalho “é a Justiça que assegura a efetivação dos direitos sociais trabalhistas; é o porto seguro dos trabalhadores; é a garantia da dignidade da relação do trabalho. A Justiça do Trabalho é a justiça do povo,”.

“Na ocasião, o desembargador presidente do TRT20, Thenisson Santana Dória, lançou a campanha “Justiça, nosso Trabalho!”. Para Dória, o ato representa um repúdio ao desonroso tratamento dado à Justiça do Trabalho no atual Governo. “Essa é uma Justiça firmada na paz social e na solução de conflitos, nos moldes constitucionais, com respeito à livre iniciativa e à valorização do trabalho. O objetivo dessa manifestação é agregar, juntarmos forças, estabelecer o diálogo com a sociedade a fim de demonstrar a importância vital da Justiça do Trabalho, a preservação das garantias dos direitos constitucionais e sociais”.