Secretário participa de debate na Comissão de Educação da AL

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Belivaldo Chagas fala na Comissão de Educação da AL, ao lado de dirigentes do Sintese
Belivaldo Chagas fala na Comissão de Educação da AL, ao lado de dirigentes do Sintese

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 24/08/2012 às 03:15:00

O secretário de Estado da Educação, Belivaldo Chagas, participou ontem de uma audiência pública convocada pela Comissão de Educação, Cultura e Desporto da Assembleia Legislativa, que ocorreu na sala das comissões. O secretário destacou, durante a sua explanação, os investimentos relacionados à reforma e ampliação de escolas e quadras esportivas, apresentou dados atualizados de lotação e vencimentos de professores e garantiu estar sempre disposto ao diálogo e compromissado em apurar eventuais irregularidades e buscar soluções para oferecer à sociedade uma educação de qualidade, valorizando o docente e respeitando o aluno.

A reunião foi convocada para debater possíveis distorções existentes na folha de pagamento da Secretaria de Educação, conforme denúncia do Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sintese).

Denúncia - De acordo com o secretário, o Sintese apontou em sua denúncia que uma diretora de escola percebeu na folha de novembro de 2011 um vencimento bruto de pouco mais de R$ 9 mil. Segundo ele, o sindicato não observou que no mês de novembro do ano passado a diretora recebeu mais de R$ 3 mil de gratificação natalina, a gratificação do cargo e a diferença do piso. Em julho de 2012, essa mesma professora recebeu um salário bruto de pouco mais de R$ 6 mil.

"Isso mostra que não existem supersalários na educação. O Sintese não se ateve a esses detalhes da folha dessa professora, mas estamos dispostos a corrigir todas as possíveis distorções apontadas pela entidade. Para isso, precisamos que ela nos envie a relação dos servidores  que estão com vencimentos muito altos e também aqueles que não foram encontrados em seu local de trabalho", acentuou.

O secretário informou que desde que assumiu a pasta vem corrigindo as distorções encontradas na folha e na lotação de pessoal. Ele disse que já reduziu substancialmente o número de professores trabalhando na atividade meio para não os tirar da sala de aula.  

Piso - Em relação ao pagamento do piso do magistério, Belivaldo Chagas lembrou que Sergipe foi um dos primeiros estados do Brasil a cumprir a lei do piso. "Foi nesse governo que o professor da rede pública estadual teve o maior índice de aumento. O  governador Marcelo Déda já se reuniu com o Sintese para explicar a situação das finanças no estado", declarou o secretário.

Belivaldo Chagas achou louvável a decisão da Comissão de Educação da AL ao sugerir  e aprovar a criação de uma comissão formada pela Seed, Secretaria do Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag) e Sintese para apurar as possíveis distorções que existam na folha de pagamento de pessoal da Seed. Esta comissão vai solicitar também a relação dos professores e servidores que estão cedidos para outros órgãos e Poderes, inclusive a Assembleia Legislativa.

O secretário esclareceu aos parlamentares que,  em 2011, a Seed executou um orçamento de cerca de R$ 870 milhões, sendo que aproximadamente R$ 760 milhões foram gastos com a folha. "O Fundeb nos repassa cerca de R$ 41 milhões por mês e o estado nos repassa, em média, R$ 22 milhões", esclareceu.