Protesto em Rosário cobra indenizações

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 01/06/2017 às 00:09:00

Depois de sete meses aguardando por pagamento da rescisão contratual, cerca de 130 ex-funcionários da Empresa Estrela se mobilizaram no município de Rosário do Catete e promoveram um ato público a fim de chamar a atenção do Ministério Público do Trabalho e do Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe (TJ/SE). De acordo com a direção do Sindicato dos Empregados de Asseio e Conservação do Estado de Sergipe (Sindecese), a prefeitura não quitou os débitos restantes junto à empresa terceirizada, e, por este motivo, o contratante não possui condições financeiras para cumprir com as obrigações legais que protegem o cidadão trabalhador.

Em caminhada, os manifestantes alegaram que desde o mês de outubro do ano passado estão passando fome, além de não quitar pagamentos destinados à escolas dos filhos, aluguel de imóveis e demais contas como: energia, telefone e água. Aglomerados em frente à sede da prefeitura, o grupo seguiu pressionando o prefeito Etelvino Barreto Sobrinho. Eles alegam que, independente de quem esteja à frente do poder executivo municipal na atualidade, é dever da cidade realizar o pagamento das pendências e minimizar os problemas. Diante da situação vulnerável, a direção do sindicato ingressou uma junto ao TJ/SE e conseguiu o bloqueio das faturas devidas pela empresa.

Por meio de nota, a Prefeitura de Rosário do Catete informou que na gestão do ex-prefeito Laércio Passos, a Empresa Estrela Serviços Terceirizados Ltda, de fato, não realizou o pagamento das verbas rescisórias dos funcionários que prestaram serviços a este município; Preocupado com a situação dos referidos funcionários, o prefeito Etelvino Barreto, procurou junto ao Tribunal Contas do Estado de Sergipe (TCE/SE), o procedimento legal para realização dos pagamentos o mais rápido possível. “Vale ressaltar que, o município ficou impossibilitado de realizar os pagamentos dos créditos, pois, o antigo gestor Laércio Passos deixou a documentação do procedimento de forma irregular, sem assinatura, sem empenho e etc.”.

A nota esclareceu ainda que: “Sendo assim, diante da soma de esforços do prefeito municipal e toda sua equipe informamos que nos próximos meses se efetuará o repasse dos créditos, da Empresa Estrela Serviços Terceirizados Ltda, à Justiça do Trabalho, para que sejam realizados os pagamentos das verbas rescisórias dos funcionários terceirizados;  Importante mencionar que, por diversas vezes o município procurou o diálogo com o sindicato representante da categoria e com o representante da Empresa Estrela na tentativa de solucionar o problema deixado pela gestão anterior. Por fim, solicitamos a compreensão da população rosarense, para que não se deixem levar por boatos e influências políticas que nada colaboram para solução dos problemas”. (Milton Alves Júnior)