Dinheiro sujo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 04/06/2017 às 08:28:00

O homem da mala do ainda presidente Temer vê o sol nascer quadrado desde ontem, quando foi preso por agentes da Polícia Federal. Uma notícia ruim para o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, acusado de receptação de propina. Pior ainda para o presidente em pessoa, assombrado por uma provável delação do antigo assessor. O tempo fechou de vez no Planalto.

Rocha Loures foi flagrado pela PF recebendo uma mala com R$ 500 mil. Segundo a delação dos executivos da JBS, no âmbito da Operação Lava Jato, seria dinheiro sujo, fruto de propina. O pedido de prisão foi feito após o ex-ministro da Justiça Osmar Serraglio reassumir o cargo de deputado federal. Com o retorno, Loures, suplente de Serraglio, perdeu o foro privilegiado.

Acuado por denúncias diversas, incluindo a de prevaricação, o presidente Temer vem realizando manobras desastradas, com o fito de permanecer à frente cargo e promover as reformas defendidas a todo custo, de interesse exclusivo do mercado. A troca de comandos na esplanada dos ministérios, por exemplo, parece ter sido pensada para submeter a Polícia Federal a controle mais rigoroso do Ministério da Justiça, então sob o comando de Serraglio.

Cada vez mais constrangedora, a permanência de Temer no comando da República tem custado muito caro à economia nacional. O governo da salvação se converteu em ambiente de conspirações e negociatas. Quando finalmente se recolher ao ocaso de sua triste carreira política, Temer já terá partido tarde.