À flor da pele

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 07/06/2017 às 08:20:00

Rian Santos - riansantos@jornaldodiase.com.br

 

Um “foda-se!” bem grande riscado na própria carne. A coragem de assumir o gosto pela arte à flor da pele e eleger o corpo como o suporte ideal para a comunicação de um sentido artístico bem específico, inspirou Victor Balde a sair de sua zona de conforto para se arriscar em um ensaio dedicado aos traços que ele mesmo carrega, com todo o gosto do mundo. Batizado ‘Das vísceras à superfície’, o trabalho enquadra o estigma obrigado aos tatuados e, sobretudo, a força libertadora da afirmação.

Balde é um homem jovem, coberto de tatuagens. Ao pensar o projeto, certamente considerou a sua experiência pessoal, a resistência da família e a desconfiança adivinhada no olhar das pessoas na rua. Apesar do trabalho de direção, com modelo e locação, pouco comum no repertório do fotógrafo, com atuação destacada na fotografia de música, a construção evoca, portanto, uma violência viva que ele certamente conhece bem.

“Muita coisa pode mudar em 6 anos, mas revisitar esse material recentemente trouxe a certeza que a luta pra nos desprendermos e vivermos uma vida cada vez mais real, é o caminho que mais busco na vida, um misto de luta, auto-conhecimento e leveza. Minha luta pessoal foi familiar/social devido às tatuagens e por isso elas são a representação da libertação que retratei. Porém, independentemente da luta, a coragem é o combustível de qualquer mudança”.

O hiato mencionado por Balde se refere ao longo intervalo transcorrido desde a concepção do projeto e a sua divulgação, no domínio alimentado com o seu portfolio, mantido na internete. É dos seus poucos trabalhos com narrativa bem definida – começo, meio e fim. E, no entanto, o ambiente controlado onde tudo se dá parece não encerrar a sugestão ali capturada. Balde não está sozinho nessa. A intenção que floresce é de comunhão.

“Plena gratidão à minha irmã de pele riscada, Paloza Cersosimo, por toda confiança e coragem de encarar um ensaio com essa temática. Ellen Trindade pra dar toda força durante o ensaio e ao meu irmão Mahavir Feitosa por nos conseguir essa incrível locação”.