Educação sergipana em pauta

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 09/06/2017 às 07:47:00

Maria de Lourdes Porfírio Ramos T. dos Anjos

 

A mais nova obra que traz as assinaturas do professor Jouberto Uchôa de Mendonça e da professora e pesquisadora Maria Lúcia Marques Cruz e Silva, que recebeu o título de “Educadores de Sergipe à luz da República (1911-1971): (re) construindo trajetórias”, procura apresentar traços biográficos de educadores de Sergipe entre os anos de 1911 e 1971. Certamente, esse será mais um documento que enriquecerá a história da educação sergipana. A obra é instigante e nos convida a fazer uma leitura aprofundada, de um trabalho de pesquisa rigoroso, sobre a Era dos grupos escolares, a cultura escolar, práticas educativas e dados biográficos, que estão interligados ao cotidiano escolar.

A obra chama a atenção pelos aportes teóricos, a riqueza das fontes e a forma como são tratadas. O livro divide-se em duas partes.  A primeira denomina-se Palacetes e palcos do saber: espaços iluminados de sonhos, nessa etapa a obra apresenta a trajetória da instituição do ensino seriado com a instalação dos grupos escolares no estado de Sergipe. A segunda está intitulada Vidas lapidando vidas: chamas que jamais se apagam, nessa parte os autores analisam 250 sínteses biográficas de professores de Sergipe.

A partir de uma pesquisa minuciosa nos documentos e o uso de outros recursos metodológicos, entre eles a história oral, foi possível constatar que o movimento da prática pedagógica está intimamente ligado aos acontecimentos políticos, econômicos, sociais e culturais. Portanto, resta-nos um convite à leitura dessa obra na esperança de que os questionamentos não respondidos sirvam de estímulos para outras leituras.

A publicação chegou em bom momento: nas efemérides dos 55 anos da Tiradentes. Observando a trajetória dessa instituição, percebem-se os avanços no mundo dos saberes. Reconhece-se que não foi fácil superar tantas dificuldades que surgiram nessa caminhada.  Mas lançando o olhar para o início histórico da instituição, lembramos que tudo começou com o ‘ginásio’, e que décadas depois seu projeto transformou-se em uma Universidade consolidada e reconhecida em todo Sergipe, no Nordeste e além-fronteiras. A publicação ainda celebra os 80 anos de vida do professor Jouberto Uchôa de Mendonça. Parabéns aos autores pela iniciativa de tratar da profissão docente hoje tão desacreditada.

 

Maria de Lourdes Porfírio Ramos Trindade dos Anjos é professora da rede pública (estadual e municipal) e da Faculdade Pio Décimo. Leciona na graduação e pós-graduação