Operação Corpus Christi

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 15/06/2017 às 08:57:00

Nem mesmo os feriados de inspiração religiosa, como este dia de Corpus Christi, dão descanso às polícias rodoviárias, Brasil afora. Todas as datas festivas do calendário que resultam em feriados prolongados são acompanhados por uma verdadeira operação de guerra. Todo cuidado é pouco. Reforço na fiscalização e vigilância dobrada nos trechos de estradas mais perigosos, tudo para evitar o pior.

Somente os desavisados podem considerar a imagem evocada de uma operação de guerra um exagero de retórica. Para reduzir o número de acidentes, a Operação Corpus Christi deve contar com 2.083 viaturas, 1.056 motocicletas, 2.411 aparelhos etilômetro (o bafômetro) e 396 radares portáteis. Um aparato bem razoável mobilizado somente para conter a imprudência dos condutores mais afoitos.

A PRF também dá dicas aos motoristas que forem viajar: dormir uma boa noite de sono antes de pegar a estrada; fazer a revisão no veículo; manter uma distância segura do veículo à frente; usar o cinto de segurança e ligar os faróis. As dicas são essenciais para ajudar na prevenção de acidentes. O essencial, no entanto, consiste tão somente em considerar as regras de trânsito e segurança, tendo em vista a preservação da própria vida e a dos outros.

É evidente que a culpa pelas estatísticas relacionadas aos acidentes de trânsito, sabidamente dramáticas, não deve recair exclusivamente sobre os condutores. Há que se considerar também a responsabilidade do poder público, a quem cabe educá-los e garantir condições de tráfego aceitáveis, com estradas seguras e sinalização adequada. No entanto, o melhor remédio contra uma possível fatalidade só pode ser aplicado mesmo por iniciativa dos próprios motoristas. Uma boa dose de responsabilidade e canja de galinha não fazem mal a ninguém.