Dois presos por morte de estudante após uma cavalgada em Estância/SE

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 20/06/2017 às 00:17:00

Gabriel Damásio

 

Dois homens foram presos pelo envolvimento com o ataque a tiros ocorrido no último dia 11 em plena Praça Orlando Gomes, centro de Estância (Sul). O crime resultou na morte da estudante Joice São Pedro dos Santos, 16 anos, e deixou outras quatro pessoas feridas. Segundo a investigação da Delegacia Regional de Estância, o autor dos tiros é Talles Henrique Silva Santos, 23 anos,detido nesta sexta-feira na BR-101, em Cristinápolis (Sul). O outro acusado, Felipe Victor dos Santos, 26 anos, está preso desde a terça-feira passada e apontado como o que deu cobertura a Talles na execução do crime. A investigação foi detalhada ontem pelo delegado Allan Faustino, responsável pelo inquérito, em entrevista coletiva na sede da Secretaria da Segurança Pública (SSP).

As informações sobre a dupla foram levantadas pelos policiais logo após o crime e se confirmaram ao longo do dia seguinte com o depoimento de testemunhas e a partir de denúncias da população, motivando o pedido de prisão preventiva dos dois. Felipe foi o primeiro a ser detido, assim que sua ordem de prisão foi decretada. Talles Henrique, por sua vez, foi interceptado pelos policiais na BR-101, em Cristinápolis, e admitiu ao delegado que estava a caminho da cidade de Candeias (BA), próximo a Salvador.

De acordo com Faustino, o crime teria sido causado por uma rixa entre Talles Henrique e outros três rapazes, com quem já envolveu se em uma briga de rua. Um deles foi Abini Costa Freire, 23, um dos baleados no ataque da praça. “Na verdade, foi uma rivalidade antiga, o que eles chamam de ‘treta’. Ela começou no Carnaval do ano passado, quando dois grupos se esbarraram e trocaram várias agressões físicas. Depois dessas agressões, começaram uma série de ameaças. Essa inimizade do Talles era tanto contra o Abini quanto contra outros dois amigos do Abini. E ele [Talles] confessou já ter feito ameaças aos três”, disse.

Esses outros dois alvos são Algislan Mendes e Tiago Santos, que estavam com Abini na Praça Orlando Gomes, durante o encerramento da tradicional Cavalgada de Santo Antônio. De acordo com a investigação, Talles e Felipe também estavam no evento e planejaram o ataque ali mesmo. “Durante a cavalgada, Talles Henrique, de posse de uma arma de fogo calibre 38, avistou os desafetos e decidiu executá-los, sem se preocupar com a grande concentração de pessoas que havia no local. Talles contou com a ajuda de Felipe Victor, que, segundo testemunhas, tomou a frente do Talles caminhou em direção das vítimas, disfarçando a aproximação de Talles. Chegando próximo às vítimas, Talles então efetuou seis disparos de arma de fogo em direção a Abini e seus amigos Tiago e Algislan”, detalha o delegado.

Abini foi internado em estado grave no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse) em Aracaju, mas outras quatro mulheres que acompanhavam a festa também foram baleadas. Uma delas foi Joice, que morreu na própria praça, ao ser atingida na cabeça. As outras vítimas são Evely Luany de Jesus, 16; Márcia Cristina dos Santos, 43; e Tawana Tamiris Santos Silva, 26. Evely também foi internada no Huse e passou por cirurgia, enquanto as outras foram atendidas no Hospital Regional Jessé Fontes, em Estância. “As três [Joice, Márcia e Tawana]não tinham nada a ver com a história, nem acompanhavam Abini e seus amigos, mas acabaram vítimas dos disparos por estarem bem próximas ao trio”, conclui o delegado.

A polícia apurou ainda que a briga no Carnaval retrasado está relacionada ao crime contra Gilmar Menezes Guimarães, morto a tiros em 6 de março de 2016 nas redondezas do Forródromo de Estância. O autor confesso do homicídio, Igor Alves do Nascimento, 19, foi preso três dias depois. Faustino confirmou que Gilmar era amigo de Talles e que tanto ele quanto Igor também se envolveram na rixa. Felipe Victor e Talles Henrique serão indiciados por um homicídio qualificado e quatro tentativas de homicídio. Eles estão detidos na 4ª Delegacia Metropolitana (4ª DM), em Aracaju, onde aguardam transferência para um presídio.