Colaborando com a SMTT

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 20/06/2017 às 08:02:00

José Wilson Brito Couto


Não é a primeira vez que, interessado em ajudar a PMA, particularmente   a SMTT, publicamos alguns assuntos  no jornal,  a respeito de situações que ocorrem em nossa Cidade e que atinge principalmente a nós motoristas.

Assim vejamos:

1)Mercado Albano Franco, ou Centro da Cidade. Estacionamento para automóveis. Além de ser pouco em relação ao número de usuários que possuem carro, o maior problema são as motocicletas. Mas é uma situação facílima de resolver. No caso do mercado por exemplo. Basta determinar que estacionamento de motos será no passeio, no lado Norte, em frente  ao mercado de passarinhos, que tem 7mt por 30mt, totalmente livre, deixando o local desocupado para os automóveis.

E no Centro, estabelecer, de preferência nas esquinas, locais só para motos!

È responsabilidade da SMTT.

2) No   Bairro Gragerú, ou 13 de julho, como queiram, vizinho ao Super Mercado G. Barbosa, há o cruzamento das Av. Francisco Porto com a Av. Jorge Amado. Antigamente ai existia um sinal de três tempos, dando ao trafego as condições de seguir, por vez, em três direções diferentes, possibilitando uma maior flexibilidade aos carros ganharem tempo, e chegarem mais depressa em seus destinos. Quando houve mudança na direção da SMTT, apareceu um “inteligentíssimo”, retrogrado, que não só fez voltar o semáforo de dois tempos, como prolongou a canteiro central de alguns metros, prejudicando normalmente o trânsito daquela artéria. Em consequência dessa “besteira”, os carros passaram a fazer manobra no meio da Av. Jorge Amado, erradamente, forçados pela própria SMTT.

Sejam humildes, e retornem o semáforo de três tempos.

3 Fiscalização Eletrônica. Está claro que esse tipo de fiscalização só tem um objetivo, MULTAR. Além de fazerem nós aracajuanos de  “idiotas” mentindo dizendo que a aplicação das multas tem por finalidade salva vidas humanas. Se assim o fosse, ao invés de mandar para a residência do infrator, o documento “pré multa” dando o direito de defesa, é uma  falsidade, pois até hoje não se sabe de alguém que mesmo com razão, tenha ganho, ou tivesse suas alegações aceitas. Por que ao invés dessa “pré multa” não mandam uma advertência,  deixando gravado na SMTT essa ocorrência no prontuário do motorista, anunciando que se o fato venha a se repetir, ai sim haveria uma multa.Sendo dado nova oportunidade, poderia se pensar que estaria salvaguardando vidas. Mas todos sabemos que essa não é a razão. Dessa maneira não haveria uma receita extra para a SMTT e não daria condições de fazer um lastro para as próximas eleições.

4)A rua Antônio Fagundes no oitão do G Barbosa, da Francisco Porto,  cruza  com as ruas Euclides Paes Mendonça e Ananias Azevedo.  O trânsito nestes locais, principalmente em horas de pique é perigosíssimo, e não tem semáforo. Será que a própria direção da SMTT, não tem conhecimento disso? Ou nunca passaram por ali? Não se pode dizer que na cidade não  tem verba que possa adquirir um ou dois aparelhos desses. Mas para comprar “caçadores de multas’, tem dinheiro.

5) Agentes de Trânsito. Acho que é essa denominação dada aos funcionários da SMTT, fardados de (caque) amarelo  e que perambulam a pé ou de moto pelas nossas ruas. Não sei se militares ou civis, e que atividades estão previstas a exercerem. Diriam “auxiliares do trânsito”. Eventuais ou diariamente? Porque? Por que não é sempre que os vemos em atividades. Vejo-os sempre em duplas (normalmente um homem e uma mulher), sempre com um celular na mão e em constante comunicação (não creio que a serviço). Já perguntei a um dos pares a razão dessa formação. Responderam: Questão de segurança!  De quem? Não entendi! Se são autoridades, que falta de moral e essa que necessitam andarem a dois, um protegendo o outro, ou com medo que lhes roubem as motos? As vezes andam  agrupados, três ou quatro, a conversar, e normalmente em locais que não tem necessidade de suas presenças. E se algum munícipe, ousado, cair na besteira (mesmo pagando seus impostos em dia) de reclamar da displicência ou falta de cumprimento de seus afazeres, receberá um “coice”, e uma promessa de multa.

Será que são instruídos a prestarem primeiros socorros a vítimas de acidentes?Será que tem conhecimento da cidade para dar alguma orientação a um possível turista que está a visitar nossa Aracaju? Essas são, a meu ver, atividades inerentes a trânsito ( acidentes ou turismo). Será que estão familiarizados com o Código Nacional de Trânsito?

Essas reclamações, já feitas em outras publicações, não se vê tomadas as devidas providências. Ou não leem os artigos publicados , ou leem , mas não levam a sério, ou não têm capacidade para resolver (pois querem os cargos e não os encargos)os simples problemas. Os entraves são sempre falta de recursos, para qualquer tipo de problema, mesmo para os que não necessitam de verba. Será que o prefeito tem conhecimento  disso? Ou compactua com a situação, já que ganhou as eleições?

Vamos colaborar com a Administração Pública! Ajudemos a SMTT!

 

José Wilson Brito Couto é professor emérito da UFS (Aposentado)