Sindisa: luta e forró!

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 28/06/2017 às 07:45:00

José Domingos Machado Soares (Dominguinhos)


Fundado em 12 de fevereiro de 1989, num domingo de carnaval, na sede do Sinditêxtil (presidido por Cristóvão Freire), por um grupo corajoso de operários e operárias das indústrias de sucos e amidos, ao longo do tempo se constituiu numa ferramenta importante da classe trabalhadora estanciana e sergipana.

Nesse período o Brasil estava sepultando a Ditadura Militar (1964-1985) e consolidando a redemocratização. O movimento sindical inaugurava com Luiz Inácio LULA da Silva em nível nacional o “Novo Sindicalismo”, ou seja, uma concepção sindical calcada na luta de classes, rompendo com o velho sindicalismo pelego.

É importante registrar que naquele momento o grupo de sindicalistas, sem experiência, entrou em contato com o grande líder metalúrgico do país e recebeu o incentivo para continuar com o movimento, objetivando a formação do sindicato.

À época os principais líderes enfrentaram toda sorte de perseguições e retaliações do arrogante e poderoso patronato. Tentativas de cooptações, desvios de funções, rebaixamento de salários e demissões foram algumas das táticas utilizadas.

A história registra a resistência de nomes como: Antônio Soares, Aparecido Alves, Artur Oliveira, Domingos dos Santos, Deuslene Calazans, Eldo Alberto, Erivonaldo Barbosa, Evertone Barbosa, José Reis, Neilson Carlos, Raziel Calazans e Tânia Maria.

É primordial frisar também que desde 1990 o Sindisa se filiou à Central Única dos Trabalhadores – CUT. Assumindo assim, de maneira clara e desassombrada, uma posição de esquerda na luta política do movimento sindical, fazendo escola.

Ao longo da sua trajetória contou a solidariedade de muita gente boa do mundo jurídico e Sindical como: Antônio Samarone, Cézar Brito, Francisco Gualberto, José Melo, Lealdo Feitosa, Nilton Ramos Inhaquite, Rômulo Rodrigues, Rubens Marques de Sousa (o Dudu), Thenisson  Santana Dória e vários outros/as.

No ano de 1997 ampliou a sua base de atuação de Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Sucos e Amidos do Estado de Sergipe para Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Sucos, Amidos, Cervejas, Refrigerantes e Afins do Estado de Sergipe. Totalizando uma base com 1.142 trabalhares/as com cerca de 70% (setenta por cento) de filiados/as.

É, sem dúvida, uma entidade político-sindical que tem participado efetivamente da agenda de luta da classe trabalhadora, prestando relevantes serviços ao município e ao estado. Por isso, goza do respeito do conjunto da população.

Há 18 anos contribui com a cultura e a tradição junina estanciana, fazendo um forró de salão, denominado:”Forró do Sindisa”, que na gestão anterior passou a fazer parte do calendário oficial do município, e desde 2005 faz distribuição de camisas com o logotipo da festa.

Que é realizada com atrações de forró autênticos locais e estaduais e totalmente aberta ao povo, que lota as dependências da sua sede social situada na Avenida José Reis do Nascimento, no bairro Alagoas. O espaço é seguro e o clima é de pura animação.

O deste ano contou a presença do deputado federal João Daniel, PT. Aconteceu no dia 18 de junho e foi um sucesso total! O Sindicato contribuiu sobremaneira para que a cidade dançasse e recitasse o grande intérprete da cultura nordestina Luis Gozanga (1912-1989): “o forró já começou, vamos gente, rapa-pé nesse salão”. Parabéns à direção do Sindisa!

 

José Domingos Machado Soares (Dominguinhos) é professor da Rede Estadual e presidente do PT de Estância.