Dias de agonia de Temer

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 04/07/2017 às 00:44:00

O presidente Michel Temer articula com aliados para barrar denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra ele por corrupção passiva. No último domingo, chamou o lidero do governo no Congresso Nacional, o deputado federal André Moura (PSC-SE), ao Palácio Jaburu, para que estimule o Centrão a manifestar apoio ao peemedebista contra a denúncia do procurador-geral Rodrigo Janot.

Temer também já determinou ao PMDB que pedisse aos 63 deputados do partido que declarem voto contrário à aceitação da ação contra ele na Câmara. Essas estratégias têm como objetivo influenciar outras bancadas a adotar a mesma atitude.

Essa apreensão de Temer, que inclusive cancelou viagem a Colômbia na próxima semana, teve a ver com a publicação da Folha de S.Paulo, no domingo, mostrando a posição dos 513 deputados federais sobre a denúncia da PGR, ou seja, se pretendem aceitar ou não a abertura de ação penal contra o presidente, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), responsável pelo julgamento, ou se será arquivada.

A Folha, após ouvir os 513 deputados, divulgou que 45 são contra a denúncia, 130 a favor, que 112 estão indecisos e 57 não quiseram responder. 

De Sergipe, o deputado André Moura é o único que se posicionou contra a denúncia e o deputado João Daniel (PT) é o único que disse que votará a favor. Respondeu que não sabia o deputado Fábio Mitidieri (PSD) e não responderam os deputados Adelson Barreto (PR), Fábio Reis (PMDB), Jony Marcos (PRB), Laércio Oliveira (SD) e Valadares Filho (PSB).

O presidente precisa de 172 votos para barrar a denúncia na Câmara dos Deputados. Pelos dados da Folha, as dez principais legendas que compõe a base aliada do governo ainda não fecharam apoio a ele.

Temer só tem fechado o apoio de 45 deputados contra a denúncia. Ele tem que ir atrás do apoio dos 112 indecisos e dos 57 que não quiseram responder.

É muito provável que dos seis deputados de Sergipe que não externaram se vão ser a favor ou contra a denúncia da PGR, três acabem sendo favorável a denúncia: Valadares Filho, Jony Marcos e Fábio Mitidieri.

Agora é acompanhar a semana de angustia do presidente Temer, que está vendo seu mandato por um fio com a denúncia que chegou à Câmara na última semana e precisa de autorização da Casa para que passe à condição de réu e possa ser julgado pelo Supremo.

Vale ressaltar que o percalço do presidente só está começando, pois ele passou à condição de investigado pelo Supremo pelos crimes de corrupção passiva, obstrução à Justiça e organização criminosa.  E Janot decidiu fatiar a denúncia, tendo enviado somente a primeira acusação sobre o crime de corrupção passiva.

As outras duas acusações virão nos próximos dois meses, já que em setembro Rodrigo Janot encerrará o mandato de procurador-geral da República.

................................................................................................................

Outros números

O Globo de ontem mostrou um outro resultado com relação aos dados da Folha de S.Paulo sobre a pretensão dos deputados federais em aceitar ou não a abertura de ação penal contra o presidente Michel Temer por corrupção passiva, mediante denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.  Disseram que seriam contra a denúncia na Câmara (44), a favor (121), não quiseram responder (127) e indecisos (74).

 

Só Zezinho

O governador Jackson Barreto (PMDB) acabou não comparecendo, no sábado, em Brasília, ao ato de lançamento oficial do Podemos (ex-PTN). De Sergipe, só compareceu o secretário Zezinho Sobral (Inclusão Social), que pode se filiar a legenda e disputar mandato de deputado estadual em 2018.

 

Preocupação só com salários

Durante as festividades juninas não faltou quem abordasse Jackson sobre o Podemos, se deixaria mesmo o PMDB e se temia que André Moura assumisse o comando do seu partido em Sergipe.  JB respondeu que não estava preocupado com legenda e que a sua única preocupação era com a folha de pagamento dos servidores públicos do estado.

 

Registro do Podemos

O Podemos nasce com uma bancada formada por 14 deputados federais e dois senadores. O encontro, que filiou e oficializou a criação da legenda, no último sábado, também serviu para lançar a pré-candidatura do senador Álvaro Dias (PR) como pré-candidato ao Planalto em 2018. Ele estava filiado ao PV.

 

Apelo de correligionários

No final de semana, o deputado federal Fábio Reis (PMDB) e o ex-deputado federal Sérgio Reis (PMDB) conversaram com Jackson sobre a sua permanência no partido. Disseram que ele deve permanecer na legenda, porque “a sua história no PMDB é maior que qualquer problema entre filiados”.

 

Circulando pelo estado

O ex-deputado Sérgio Reis começou mesmo a circular pelo estado visando viabilizar uma vaga na chapa majoritária em 2018, como suplente de senador ou como vice-governador. No final de semana marcou presença nos forrós em Nossa Senhora do Socorro, Nossa Senhora da Glória, Capela e Frei Paulo. No Forró Siri, Sérgio esteve na companhia do governador Jackson Barreto, do vice Belivaldo Chagas (PMDB), do deputado federal Fábio Reis (PMDB); do presidente da Assembleia, Luciano Bispo (PMDB); e dos deputados estaduais Venâncio Fonseca (PP) e Capitão Samuel (PSL).

 

Com ministros

O governador viaja amanhã a Brasília para audiência com os ministros Bruno Araújo (Cidades), Marx Beltrão (Turismo) e o presidente do BNDES, Paulo Rabello Castro. Tratará da liberação de recursos para Sergipe.

 

Com Jucá

JB também se encontrará com o presidente nacional do PMDB, senador Romero Jucá. Vai esclarecer seu descontentamento com a legenda com dados em mãos. Mostrará que em 2016, o governo de Sergipe, que é do mesmo partido de Temer, recebeu do governo federal apenas R$ 150 milhões, enquanto o governo de Alagoas, que também é do PMDB, a importância de R$ 500 milhões; e que o governo da Bahia, que é do PT, recebeu R$ 1 bilhão.

 

Férias

JB retorna amanhã mesmo de Brasília e na quinta terá despachos administrativos no Palácio. Viaja na sexta-feira em férias, por cerca de 15 dias.  

 

Venda da Vale

Na tarde de ontem, o governador se reuniu com dirigentes da Vale Fertilizantes e secretários de estado para falar sobre a venda da empresa a um grupo canadense.  Na oportunidade, JB pediu para que os representantes da Vale façam uma ponte entre os novos donos da Vale e o Governo do Estado, para que possam dar continuidade ao Projeto Carnalita e aos empregos gerados.

 

Alfinetada

Do senador Antônio Carlos Valadares (PSB), alfinetando, mais uma vez o governador pelas redes sociais: “Zezinho Sobral será mesmo o precursor do Prometido? Ou o Podemos de Álvaro Dias está sendo alvo de mais um conto de vigário de JB?”.

 

Na Câmara Municipal

Os vereadores de Aracaju ainda não entraram em recesso parlamentar do meio do ano por não terem aprovado a Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO). O vereador Iran Barbosa (PT) disse que a sua expectativa maior é que a LDO entre na pauta desta terça-feira para discussão e votação, já que na semana passada isso não foi possível pela falta de quorum. Ressalta que já era para a lei ter sido aprovada e que estranhou o fato disso não ter acontecido ainda, o que levaria os vereadores a iniciar o recesso no último dia 30 de junho.

 

Reforma trabalhista

Os senadores analisam hoje um requerimento de urgência para a votação da reforma trabalhista no Plenário. Se o pedido for aprovado, o PLC 38/2017 entra na pauta após duas sessões ordinárias. O presidente Eunício Oliveira (PMDB-CE) pretende concluir a votação antes do recesso parlamentar, que começa no dia 18 de julho. O governo acredita na aprovação da reforma, que pode ser votada até 10 ou 12 de julho.

 

Reforma política

O presidente do Senado, Eunício Oliveira, defendeu a aprovação de mudanças nas regras eleitorais até o dia 30 de setembro. Para ele, é essencial redefinir questões como financiamento de campanha, coligações, cláusula de barreira para partidos e aperfeiçoamento do sistema de voto, como o “distritão” ou o voto distrital misto. O texto da reforma política deve chegar ao Senado antes do recesso parlamentar, proveniente da Câmara dos Deputados, disse Eunício.

 

Veja essa...

De Zezinho Sobral sobre as especulações de que vão tomar o PMDB do governador e que o deputado federal André Moura (PSC) foi convidado para comandar o partido no estado: “O PMDB não estupraria seus filiados em Sergipe, não tomaria o partido para dá a outra pessoa. Seria um desmerecimento, uma falta de respeito. O PMDB é social, compacto e denso em Sergipe. O partido é o maior, tem um governador, um deputado federal, um presidente da Assembleia Legislativa, quatro deputados estaduais e mais de 30 prefeitos e vice-prefeitos. Dizer que vão tomar o partido em Sergipe é plena ficção científica”. 

 

 

 

CURTAS

 

 

O governador Jackson Barreto assina hoje, em Itabaiana, a ordem de serviço autorizando o início da construção de uma Central de Abastecimentos (Ceasa), com recursos do Proinveste, na ordem de R$ 30.689.968,93.

 

De JB sobre os seis meses de gestão do prefeito Edvaldo Nogueira:  "O prefeito recebeu uma herança muito difícil e mesmo assim tem trabalhado e está pagando o salário dos servidores em dia. É uma grande vitória de Edvaldo".

 

O ex-ministro de Temer da Secretaria de Governo, Geddel Vieira, foi preso ontem por agentes da Polícia Federal  por tentar obstruir a investigação de supostas irregularidades na liberação de recursos da Caixa Econômica Federal. Mais uma dor de cabeça para o presidente.

 

A prisão preventiva foi pedida pela PF e pelos integrantes da Força-Tarefa da Operação Greenfield, a partir de informações fornecidas em depoimentos do doleiro Lúcio Bolonha Funaro, do empresário Joesley Batista e do diretor jurídico do grupo J&F, Francisco de Assis e Silva, sendo os dois últimos em acordo de colaboração premiada.