Lama e buracos provocam novo bloqueio na Av. Euclides Figueiredo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O protesto fechou a avenida na manhã de ontem. Foto: Divulgação
O protesto fechou a avenida na manhã de ontem. Foto: Divulgação

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 15/07/2017 às 00:18:00

Milton Alves Júnior


Moradores da Avenida Euclides Figueiredo, na zona Norte de Aracaju, voltaram a se reunir na manhã para protestar contra a falta de manutenção da via expressa. De acordo com os populares, há mais de dois anos a comunidade sofre com a multiplicação dos buracos e perdas bruscas nos valores dos imóveis. O comércio local sofre; a economia segue em baixa, e alugar um imóvel no bairro tem se tornado tarefa árdua para proprietários em busca de inquilinos. Apesar de todo o retrocesso da qualidade de vida, a taxa anual do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) segue em alta, e criticada pelos aracajuanos.

Com explicações semelhantes aos meses anteriores, a direção da Empresa Municipal de Obras e Urbanismo (Emurb) voltou a afirmar que os buracos apareceram em função da obra realizada pela Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso), bem como em virtude do período chuvoso que contribui diretamente para agravar o problema. Em contraponto a companhia garante que realizou um serviço na região, mas que não possui responsabilidade alguma pela desordem urbana vivenciada por milhares de aracajuanos e moradores do município de Nossa Senhora do Socorro que transitam diariamente pela avenida.

"Nós não queremos saber, não temos a mínima preocupação em querer descobrir quem é o responsável por todos aqui estarem vivendo em um local esquecido pelo poder público. O que deixa a gente ainda mais irritado é que pagamos um IPTU cada vez mais caro e assistimos o nosso bairro cada vez mais na lama. Parece que não temos nem prefeito, nem vereador", lamentou Jorge Henrique, morador da zona Norte há 42 anos. Durante o ato público os manifestantes bloquearam a via e agentes da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) necessitaram criar atalhos paliativos.

Sem poupar críticas, o taxista Anselmo Pereira - um dos líderes do movimento, informou que a proposta dos moradores dos bairros: Lamarão, Soledade, Cidade Nova, comunidade Pau Ferro e Coqueiral, além dos habitantes do conjunto Marcos Freire, em Socorro, é permanecer realizando mobilizações coletivas a fim de chamar a atenção dos gestores municipais. Criticas e reivindicações seguem direcionadas especialmente ao prefeito Edvaldo Nogueira. Ele pede que o chefe do executivo municipal compareça nos bairros com a mesma intensidade da campanha eleitoral do ano passado, e, além disso:

"que ele faça tudo o que prometeu quando esteve aqui para pedir voto aos moradores. No ano passado a situação dessa avenida não estava do jeito que está hoje, mas já era bastante sofrida. Além dos buracos imensos, o esgoto segue a céu aberto e ninguém suporta mais toda essa situação humilhante. Eu moro aqui há pouco mais de 20 anos e confesso que nunca vi meu bairro tão abandonado pela prefeitura como está agora". Por meio de nota a Emurb informou que já está programando a implantação de drenagem no trecho e, para amenizar o problema fez um serviço de terraplenagem permitindo uma melhor condição de tráfego dos veículos.