Ana Lúcia: "Condenação de Lula é caminho para retirada de direitos da população".

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 22/07/2017 às 00:49:00

Na última quinta-feira (21), o mandato democrático e popular da deputada estadual Ana Lúcia (PT) realizou mais um Calçadão Popular, atividade cultural já tradicional do seu mandato, dessa vez com uma temática especial: a relação entre a condenação do ex-presidente Lula e a retirada de direitos da população.

 

Diante do grave cenário político brasileiro, em que direitos trabalhistas e previdenciários estão sendo retirados do povo, o mandato da deputada Ana Lúcia decidiu dialogar com a população através da ação: Lula condenado? O verdadeiro alvo são os nossos direitos!

"Nós aproveitamos que o Brasil inteiro está discutindo a condenação de Lula, para demonstrar à população que na verdade o alvo não é ele. A seletividade da Justiça já foi escancarada. Moro condenou Lula em uma sentença absurda, sem provas e alheia à denúncia. O fato de sua condenação ter sido anunciada um dia após a aprovação da reforma trabalhista deixa claro o objetivo de se escamotear a retirada dos direitos da população através da prisão do maior líder popular desse país", denuncia Ana Lúcia.

A deputada também falou sobre o método utilizado para se aproximar da população ao debater sobre política. “O Calçadão Popular é uma atividade que o nosso mandato realiza desde 2004 sempre utilizando atrações culturais e várias manifestações artísticas que abordam os mais diversos temas. Já discutimos desde o empoderamento da mulher negra, passando pelo meio ambiente, até o dia do samba. E a população sempre nos recebeu bem, pois a cultura aproxima as pessoas. Hoje, nós trouxemos músicos e atores em pernas de pau que encenaram uma esquete que contou o que está realmente por trás da condenação de Lula”, explicou.

Ana Lúcia ainda falou sobre a participação da população na vida política do país. “Além das apresentações culturais, também distribuímos panfletos temáticos para a população que novamente recebeu muito bem o material. Nessa atividade, nós pudemos notar que a população já percebeu o que está posto e está ciente do seu papel. Somente com o povo como protagonista é que reverteremos todos esses retrocessos e isso só será possível através de eleições diretas e de uma nova Assembleia Constituinte Exclusiva e Soberana”, apontou.