Como os nossos pais

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Cantor e compositor, Sena é dos maiores nomes revelados pelo ‘Festival Novo Canto\'. Foto: Divulgação
Cantor e compositor, Sena é dos maiores nomes revelados pelo ‘Festival Novo Canto\'. Foto: Divulgação

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 22/07/2017 às 10:05:00

Rian Santos - riansantos@jornaldodiase.com.br

 

Difícil não ceder à nostalgia ao refletir sobre os reflexos dos festivais estudantis de música na paisagem cultural da aldeia. Se nem todos entre os Serigys são cria destes eventos, não há na primeira geração de autores locais, os egressos dos fundamentais anos 80, quem não tenha se beneficiado da efervescência manifesta no ambiente criativo de então. Se o noviço ‘Festival Novo Canto’ conseguir a façanha de evocar o espírito do tempo, como o fizeram os nossos pais, a presença de Neu Fontes na Secretaria de Estado da Cultura estará finalmente justificada. Dedos cruzados, portanto.


Nem mandinga, nem amuleto. Para vingar de verdade, o projeto bancado pela Secult, em oportuna parceria com a Secretaria de Estado da Educação, terá apenas de abandonar o pendor para o ar viciado da burocracia e se mostrar de peito aberto, aberto à encantadora diversidade do aqui e agora, sem medo de ser feliz. A iniciativa é bem vinda, não merece ficar trancafiada entre as quatro paredes de uma escola.

 

A concha do Centro de Criatividade está aí, ociosa, ainda carente de agenda. A Secult tem a oportunidade de soltar a molecada nas alturas da Caixa D’água e convidar a população inteira para brincar.

 

Diálogo – Na manhã desta sexta-feira, 21, membros do Governo traçaram as diretrizes iniciais do ‘Novo Canto’, projeto encabeçado pela Secult e com a pretensão de promover um Festival Estudantil de Canção. Esse é uma ação de caráter educativo, artístico e cultural, concebido a partir de uma perspectiva abrangente na expectativa de incentivar a participação e o envolvimento de todos os estudantes da rede estadual e particular de ensino.

 

De acordo com o superintendente executivo da Secult, Irineu Fontes, o objetivo é formatar um projeto que contemple e incentive os jovens estudantes de Sergipe, de forma a difundir a música nas escolas sergipanas. “É um projeto que aconteceu no passado e que faz parte do pacote de ações que estamos começando a traçar para o Centro de Criatividade. Trouxemos a SEED e a Secom aqui para que juntos, desenharmos o melhor formato para o evento”, frisou.

 

Entre os objetivos do projeto estão valorizar e promover a produção musical de Sergipe em todas as suas vertentes criativas, revelar e valorizar novos talentos compositores e intérpretes, difundir a música como uma das linguagens essenciais da expressão cultural juvenil, fomentar o desenvolvimento da arte produção de saberes, criando espaço e estímulo, para a expressão de talentos, entre outros.

 

Para o secretário da Comunicação, Sales Neto, o projeto é uma iniciativa interessante. “Me coloco à disposição para auxiliar no que a Secult precisar para a formatação dessa iniciativa, agregando, inclusive, elementos da modernidade, como as mídias sociais, nesse processo”, informou. Já o secretário da Educação, Jorge Carvalho, pediu outras reuniões para se discutir mais a fundo a ação. “Precisamos ver datas que sejam coerentes para o calendário escolar para garantir a presença dos nossos alunos”, finalizou.

 

O Festival – O ‘Novo Canto – Festival de Música Estudantil’, teve suas primeiras versões entre em 86, 87 e 88, quando lançou nomes como Chico Queiroga, Antônio Rogério, Sena e Sergival, Nininho Silveira, hoje Nino Karvan, entre outros. Vale lembrar que o festival gravava um disco com as 10 melhores músicas dos primeiros colocados.