Distorção em solo rachado de sol

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 06/08/2017 às 00:43:00

Rian Santos

 

Não é sempre que o angu de regionalismo made in nordeste + guitarras que transbordam em legatos repletos de notas dá caldo. Mais das vezes, a mistura acaba pesando. O sotaque carregado do pernambucano Fred Andrade, que inaugura a Quinta Instrumental do Centro Cultural de Aracaju em grande estilo, é a exceção confirmando a regra. A apropriação de acentos caros ao imaginário do lugar é mero detalhe no trabalho do cabra. Distorção em solo rachado de sol, sem forçar a barra. Quem sai aos seus não degenera.

Fred Andrade é compositor, guitarrista e violonista dos mais requisitados. Já acompanhou Lenine, Elba Ramalho, Alceu Valença, Naná Vasconcelos e Nando Cordel, entre muitos outros. É o seu trabalho autoral, no entanto, que lhe confere merecida distinção entre os colegas das seis cordas. Seja lançando discos com a própria assinatura, seja em parceria com o batera Ebel Perrelli, no Projeto Mandinga, Fred Andrade transforma a guitarra em instrumento de afirmação autoral, e ainda investe em possibilidades melódicas que ampliam a paisagem. Uma viagem.

Fred Andrade na Quinta Instrumental do Centro Cultural de Aracaju:

Quinta-feira, 10, a partir das 19 horas.