Márcio sai em defesa da "Voz do Brasil"

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 01/09/2012 às 12:06:00

O deputado federal Márcio Macêdo (PT) discursou nesta semana sobre a importância do programa radiofônico "A Voz do Brasil", que está no ar há mais de 70 anos. "Eu mesmo cresci ao som de O Guarani, seu tema indissociável, apresentado, ao longo do tempo, em diferentes ritmos, como que atestando a formidável multiculturalidade brasileira. Lembro-me, menino ainda, da diária conclamação do locutor de voz grave, ao anunciar às dezenove horas, na Capital da República", afirmou ao iniciar o pronunciamento.

No discurso, o parlamentar ressaltou o objetivo principal do programa:  "Levar democraticamente a informação a todos os cidadãos, mesmo àqueles habitantes dos mais distantes rincões".  E ressaltou que o foco se mantém inalterado para o cidadão, "que precisa e quer saber das decisões do poder público, porque quaisquer que sejam, direta ou indiretamente, de alguma forma, dizem-lhe respeito".

No Twiter - Macêdo frisou que a duração do programa deve ser mantida como é desde a sua criação. "Exatamente uma hora", disse. Na avaliação dele, o programa, ao longo dos anos, soube se renovar, preservando as características mais marcantes. "E assim, sem perder de vista os objetivos originais e o tipo de conteúdo, a Voz do Brasil tem-se modernizado. Ela está, por exemplo, no Twitter, e quem acessar a página ao longo do dia terá informações antecipadas das matérias que mais tarde comporão a pauta, tanto as já produzidas quanto as que estão em produção", afirmou.

Da mesma forma, o deputado disse que o horário de transmissão do programa, de sete às oito da noite, não deve ser alterado. "Uma tradição não apenas em razão do tempo, da habitualidade e constância, mas também da inegável repercussão, da universalidade de alcance, do caráter democrático, da transparência da gestão pública como norte, dos serviços, enfim, que presta à Nação", justificou.

Neste sentido, Macêdo refutou qualquer possibilidade de retirar o programa do ar ou alterar o horário de exibição dele. "Ouvintes de localidades afastadas dos grandes centros urbanos, em especial, no Norte e Nordeste, são os que mais ouvem o programa e o têm como informativo político diário, às vezes, o único, já que a maioria das emissoras adota critérios predominantemente comerciais, na escolha de sua grade de atrações", afirmou.