Professores do município ameaçam com paralisação

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 12/08/2017 às 00:06:00

Milhares de estudantes matriculados em instituições de ensino da rede municipal podem sofrer interferências neste segundo semestre de atividades letivas em virtude de a Prefeitura de Aracaju ainda não ter repassado o reajuste salarial de 7,64% determinado pelo Ministério da Educação (MEC). Essa definição federal foi aprovada e sancionada no mês de janeiro, e impulsionou os vencimentos mensais dos professores de R$ 2.135,64, para R$ 2.298,80. Apesar dos apelos, os docentes da rede seguem sem o direito trabalhista e ameaçam seguir de férias por tempo indeterminado, ou até o momento em que o prefeito Edvaldo Nogueira decida atender as reivindicações da classe trabalhadora.

Para definir o futuro das mobilizações a direção do Sindicato dos Profissionais do Ensino do Município (Sindipema), convoca a categoria para se reunir na próxima segunda-feira, 14, a partir das 15h30 na sede sindical com professores representantes de cada unidade estudantil. Até o início da assembleia os sindicalistas aguardam que a Secretaria Municipal de Educação possa apresentar repostas aos servidores. Paralelo ao reajuste garantido pelo Governo Federal, os educadores esperam que o próximo contracheque seja emitido a cada profissional com o devido valor retroativo ao primeiro mês de 2017. Sem atendimento destas pautas, é possível que as crianças e adolescente enfrentem uma greve dos professores sem mesmo retornar do recesso escolar.

O presidente do Sindipema, Adelmo Meneses, lamentou que ainda no final do semestre passado o prefeito tenha prometido criar uma comissão especifica entre os secretários da Fazenda, Planejamento e Educação, mas que até o momento nenhuma resposta tenha sido apresentada. A falta de atenção com a categoria, bem como com todos os membros sindicais, fizeram com que a probabilidade de paralisação geral começasse a ser apontado como única medida possível para a conquista do pleito. Adelmo ressalta que os professores esperam pelo repasse dos benefícios até o final da manhã da próxima segunda-feira. (Milton Alves Júnior)