FPI interdita duas queijarias no município de Amparo do São Francisco

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Teiú apreendido durante fiscalização em própria. Foto: Divulgação/FPISE
Teiú apreendido durante fiscalização em própria. Foto: Divulgação/FPISE

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 27/09/2017 às 01:31:00

Na manhã desta terça-feira a equipe Abate da FPI/SE interditou duas queijarias sem condições mínimas de higiene em Amparo do São Francisco, município localizado a 120km da capital de Sergipe, Aracaju. No momento da fiscalização, não havia nos locais qualquer derivado de leite.

Na primeira queijaria, localizada na divisa dos municípios Amparo do São Francisco e Canhoba, a equipe verificou que os dejetos da produção do queijo eram direcionadas para o chiqueiro. Do local, os restos do leite e as fezes dos animais são lançadas diretamente na Lagoa Salgada, que segue para um afluente do Rio São Francisco.

Na segunda queijaria, a equipe constatou péssimas condições de higiene, com pocilgas próximas ao local. “O local está totalmente fora das normas”, explicou a coordenadora da equipe Salete Dezen.

Por não ter licenciamento ambiental para a atividade, as duas queijarias foram autuadas pela Adema. Também foi dado prazo para retirada das pocilgas dos locais. Os queijos produzidos por essas queijarias geralmente seguem para venda em Aracaju.

 

Animais silvestres - A Fiscalização Preventiva Integrada do São Francisco (FPI/SE) resgatou diversos pássaros silvestres, jabutis e teiús em residências em Propriá. Em uma casa a equipe fauna encontrou nove pássaros: dois papa-capins, dois azulões, um papagaio e quatro galos de campina (conhecido como cabeço). O proprietário das aves alegou que estava tentando regularizar os animais.

Ainda durante a operação, a equipe identificou mais animais silvestres em uma outra residência. No interior da casa foi descoberto um viveiro com três periquitos-estrela, dois fogo-apagou, dois caldos-de-feijão, um papa-capim e 15 jabutis, em reprodução, vivendo em um local bastante apertado, totalmente inapropriado para a espécie.

De acordo com a coordenadora da equipe, Aline Borba, os proprietários foram orientados quanto aos procedimentos legais que devem ser tomados para regularizar a criação dos animais.

Todos os animais foram encaminhados para um caminhão de resgate de animais da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e, em seguida, transportados para o centro de triagem onde biólogos e veterinários analisarão as condições dos animais.

Entrega voluntária de animais - Enquanto durar a fiscalização, o Centro de Atenção Integral à Criança e ao Adolescente (CAIC), onde funciona a Escola Municipal Josias Ferreira Nunes, localizado na Av. Ministro João Alves Filho, será o local de entrega voluntária de animais silvestres para a Equipe Fauna.