Solicitada ampliação de hospital-escola

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 29/09/2017 às 06:20:00

O líder do governo  no Congresso Nacional André Moura (PSC-SE) se reuniu com o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira. Tratou sobre o funcionamento do Hospital Regional de Lagarto. Acompanhado do reitor da Universidade Federal de Sergipe (UFS), Angelo Antoniolli, e do superintendente da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) em Sergipe, Valter Santana, o parlamentar solicitou a disponibilização de médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem para a retomada integral do atendimento.

Federalizado e ligado à UFS, o Hospital Escola assiste a população da região centro-sul sergipana e também do agreste baiano. Contudo, em razão de um decreto estadual, a escala médica da emergência não funciona plenamente desde o mês de maio. No primeiro semestre, um concurso público buscou contratar 357 profissionais ainda neste ano e mais 357 em 2018. Contudo, com o ajuste fiscal do Governo Federal, as vagas não foram preenchidas, prejudicando o atendimento.

Dyogo Oliveira solicitou um levantamento no âmbito do ministério sobre a situação do hospital. “Faremos um estudo o mais rapidamente possível. Espero, ainda nesta semana, dar uma resposta definitiva ao líder. É uma situação preocupante, que exige uma solução efetiva. Não podemos ter um hospital que não funciona plenamente”, pontuou o ministro. “Sugerimos ao ministro a contratação emergencial de 75 profissionais: 40 médicos, 25 técnicos de enfermagem e dez enfermeiros, até que os aprovados no concurso sejam convocados”, explicou André Moura.

De acordo com Valter Santana, o reforço na equipe médica também permitirá o incremento positivo do número de procedimentos médicos e cirúrgicos. “Hoje, atendemos uma região com algo entre 250 mil e 300 mil pessoas. Temos, contudo, apenas duas salas cirúrgicas em funcionamento. Pretendemos dobrar esse número. Em termos de cirurgias, realizamos cerca de cem por mês, mas queremos aumentar para mil procedimentos mensais. Por outro lado, atualmente, realizamos quatro mil consultas mensais. A meta é expandir para 12 mil”, declarou.