Petroleiros protestam contra o governo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 04/10/2017 às 00:19:00

Em plena comemoração pelos 64 anos da Petrobras, servidores da estatal promoveram atos unificados em todas as unidades federativas do país para protestar contra o que a classe trabalhadora chama de 'política de desvalorizacao', promovida pelo Governo Federal. Em Aracaju, reunidos em frente à sede da empresa, na Rua Acre, profissionais filiados ao Sindicato Unificado dos Trabalhadores Petroleiros, Petroquímicos, Químicos e Plásticos nos Estados de Alagoas e Sergipe (Sindipetro), protestaram ainda contra o processo de terceirização e reforma previdenciária imposta pelo presidente Michael Temer.

De acordo com Edvaldo Leandro, diretor do Sindipetro, a partir do momento que governantes fascistas, contrários aos interesses da grandiosa massa brasileira, optam por seguir na contramão dos pleitos populares, a tendência é que o cenário de sucessivos conflitos permaneça por tempo indeterminado. "Todos os nossos apelos já foram expostos e debatidos com parlamentares próximos, ou não, do presidente. O problema é que de nada adiantou, já que os governantes decidiram seguir o idealismo antipopulista de Temer. Infelizmente a Petrobras também sofre com essa política medíocre de desvalorização da nossa empresa e dos nossos direitos conquistados com bastante esforço democrático", disse.

Ainda segundo a categoria, atualmente a maior estatal brasileira segue sob a administração de Pedro Parente, dono da Prada - empresa de consultoria para gestão de grandes fortunas privadas; um cidadão com ligação ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), e com traços privatistas. O Sindipetro lamenta que a Petrobras esteja sendo fatiada e privatizada de forma gradativa em todos os estados brasileiros, tendo os respectivos ativos sendo vendidos a preços considerados irrisórios, os quais são repassados para grupos estrangeiros sem que haja um consentimento da população nacional. (Milton Alves Júnior)