SSP transfere delegada que apurava corrupção para o combate ao tráfico

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A delegada-geral Katarina Feitoza durante entrevista coletiva. Foto: Divulgação/SSP
A delegada-geral Katarina Feitoza durante entrevista coletiva. Foto: Divulgação/SSP

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 06/10/2017 às 06:31:00

Gabriel Damásio

 

Contrariando a garantia que vinha sendo dada publicamente desde o ano passado, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) cumpriu o que já era especulado desde maio deste ano, quando aconteceu a última troca em sua cúpula.  Ontem, a Delegacia-Geral da Polícia Civil confirmou que a delegada Danielle Garcia Soares foi exonerada da direção do Departamento de Crimes contra a Ordem Tributária e Administração Tributária (Deotap), responsável pelas ações de combate à corrupção na polícia estadual. Ela dirigia o departamento desde 2008 e destacou-se na condução de inquéritos e operações contra a corrupção que resultaram em prisões e processos contra políticos, autoridades e grandes empresários do Estado.

Em entrevista coletiva concedida ontem, a delegada-geral Katarina Feitoza informou que Danielle será a nova diretora do Departamento de Narcóticos (Denarc), onde vai comandar o combate ao tráfico de drogas e aos homicídios correlatos. Com Danielle, também foi exonerado o delegado Gabriel Nogueira Júnior, que atuava no departamento há cerca de três anos. Ele será transferido para a direção do Departamento de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV), voltado para crimes contra mulheres, idosos, crianças, adolescentes e minorias em geral. Para substituí-los no Deotap, foram escolhidas as delegadas Thais Lemos Santiago, que dirigia o DAGV, e Maria Pureza Machado, atualmente no Denarc.

Katarina justificou que a mudança foi necessária para “oxigenar” a Polícia Civil. “A questão, na realidade, é de renovação. Apenas estamos renovando os quadros porque isso é necessário em qualquer área da vida, inclusive na área policial. A pessoa passa nove anos trabalhando com o mesmo tipo de crime, se expondo da maneira como a doutora Danielle se expôs, e todos sabemos que ela é uma guerreira, merece todos os nossos aplausos. Chega um momento em que o guerreiro merece um pouco de descanso. E ela não vai descansar, vai mudar de matéria. Ela vai trabalhar agora com um crime muito importante pra nós, que afeta os nossos filhos e as nossas famílias: o tráfico de drogas”, disse.

A passagem de Danielle Garcia no Deotap foi marcada por grandes investigações de combate à corrupção, as quais resultaram até na prisão de políticos, autoridades e empresários de grande porte no estado. Entre elas, estão a ‘Operação Babel’, deflagrada em março deste ano para investigar fraudes envolvendo a Prefeitura de Aracaju e a empresa Torre Empreendimentos; o ‘Escândalo das Subvenções’ e a ‘Operação Indenizar-se’, que apuraram respectivos esquemas de desvios de verbas da Assembleia Legislativa e da Câmara Municipal. O avanço destas investigações criou fortes especulações de que estes investigados e seus aliados estariam pressionando o governador Jackson Barreto (PMDB) para frear as investigações, extinguindo o departamento ou afastando Danielle. O Palácio de Despachos não se manifestou sobre o assunto.

 

Não param – A delegada-geral destacou que Thais Lemos é especialista na área e já foi, durante seis anos, titular da antiga Delegacia Especial de Ordem Tributária (Deot), uma das delegacias que deram origem ao Deotap. “Ela merece o nosso respeito e tem todo o apoio da polícia, da gestão e dos colegas que estão saindo. Trouxe muitos frutos, combateu ativamente a sonegação de impostos e fez um trabalho muito bom”, afirma Katarina, acrescentando que Pureza, por sua vez, foi diretora da Divisão de Inteligência Policial (Dipol), se destaca como “uma excelente investigadora” e “dará um upgrade” nos trabalhos do departamento. A delegada Nadja Flausino Vítolo, que também trabalhava com Danielle, foi mantida no Deotap.

Ainda de acordo com a delegada-geral, Thais também integra a equipe de investigadores da ‘Operação Antidesmonte’, formada pela SSP em março deste ano para investigar irregularidades e crimes de corrupção em prefeituras do interior. Katarina esclareceu que as investigações da força-tarefa estão em fase de conclusão, que todos os outros casos investigados por Danielle e Gabriel, a exemplo da ‘Babel’ e da ‘Indenizar-se’, já foram concluídos e transformados em ações penais no Judiciário. E que os resultados dos inquéritos em andamento serão apresentados muito em breve à sociedade.

 “Eu sei que muitas vezes fica difícil de acreditar. As pessoas andam muito desacreditadas nas autoridades públicas, por conta dessa onda doentia que é a corrupção em nosso estado. Mas eu posso garantir que nem eu, Katarina Feitoza, e nem João Eloy de Menezes, que é o secretário da Segurança, nunca compactuaremos com situações como essa. Que todos tenham tranquilidade em saber que as investigações não vão parar e que o combate à corrupção não será esquecido em nosso Estado. Nós sabemos que isso é um câncer na sociedade, temos interesse em fazer uma maior arrecadação e queremos combater os sonegadores de impostos e os corruptos”, assegurou a delegada-geral.