Entidades se mobilizam no ‘Outubro Rosa’

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 08/10/2017 às 06:46:00

Milton Alves Júnior

 

Em meio à crise gerencial do Sistema Único de Saúde (SUS), e defasagem assistencial por parte de planos particulares, grupos de apoio às mulheres com câncer de mama seguem multiplicando as ações alusivas ao já tradicional Movimento do Outubro Rosa. Além de destacar a irregularidade na prestação pública do serviço, os militantes sociais buscam conscientizar as mulheres a realizarem exames de rotina, as quais possam evitar, ou minimizar a violência clinica que a doença tende a proporcionar. Não basta apenas iluminar prédios e usar fitas rosa na camisa, a Associação dos Amigos da Oncologia (AMO), garante que é necessário agir em busca de progressos generalizados.

Para isso, a Organização Não Governamental (ONG) está promovendo a 3ª edição da Corrida Outubro Rosa de Sergipe, que será realizada no último sábado deste mês, dia 28. Com o tema: "Vencendo e Inspirando", a proposta da atividade é, além de gerar movimento físico para os participantes, debater sobre a doença e o quanto este movimento mundial tem ajudado a salvar vidas em torno do mundo. Se mostrando satisfeita quanto a multiplicação das atividades envolvidas no Outubro Rosa, a médica Ângela Passos disse perceber aumento na procura por especialistas. O avanço, por mínimo que seja contabilizado a cada final de outubro, já representa vida renovada para milhares de brasileiros.

Questionada quanto à postura adotada pelas mulheres ao longo dos últimos anos no Brasil, a médica disse acreditar na ação humana das pessoas de boa vontade. “Seria bastante difícil te precisar quantas pessoas me procuraram, e procuraram meus colegas para buscar avaliações após as propagandas de conscientização no período do Outubro Rosa. Isso além de contribuir para a manutenção da própria saúde, contribui para que o ciclo de cuidados ao longo do ano seja estabelecido pelos pacientes. Pena que os órgãos públicos não permitem que esse avanço seja ainda superior”, avaliou.

A história do Outubro Rosa foi iniciada na última década do século 20, quando o laço cor-de-rosa, foi lançado pela Fundação Susan G. Komen for the Cure e distribuído aos participantes da primeira Corrida pela Cura, realizada em Nova York, em 1990 e, desde então, promovida anualmente na cidade. A primeira iniciativa vista no Brasil em relação ao Outubro Rosa, foi a iluminação em rosa do monumento Mausoléu do Soldado Constitucionalista (mais conhecido como o Obelisco do Ibirapuera), situado em São Paulo-SP. No dia 02 de outubro de 2002 quando foi comemorado os 70 Anos do Encerramento da Revolução, o monumento ficou iluminado de rosa.

Este ano, além da corrida da AMO, outras atividades seguem sendo realizadas por instituições particulares e órgãos públicos, a exemplo dos servidores da Secretaria de Estado da Educação (Seed) que participam da campanha organizada pela organização não governamental Mulheres de Peito. Para a professora Josevanda Mendonça Franco, diretora do Departamento de Educação: “Essas campanhas, na verdade, culminam a ideia geral de que é preciso estarmos atento e adotarmos atitudes de prevenção ao câncer para permitir que muitas vidas sejam salvas. Nós aderimos a esta campanha como forma de traze-la para dentro da secretaria, na perspectiva do trabalho de prevenção, que é uma das características da atuação do Serviço de Educação em Direitos Humanos”.

- Para se inscrever na corrida o participante deverá preencher uma ficha com dados pessoais, assinar o termo de responsabilidade e pagar uma taxa no valor de R$ 50 para a caminhada e de R$ 75 para as corridas de 5 km e 10 km. Idosos e pessoas com deficiência têm o direito à meia entrada nas inscrições da corrida conforme estatuto vigente.