FSF quer apurar denúncia de dirigente

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 15/10/2017 às 00:11:00

Dentro de campo, a equipe da Socorrense vai muito bem. É líder do Grupo A da Divisão A2 com 10 pontos ganhos, briga pela classificação para a próxima fase. Mas fora de campo as coisas não andam bem. A renúncia do ex-diretor de futebol, Coronel Pontual, trouxe à tona uma denúncia grave.

Em nota publicada nas redes sociais, Pontual denuncia a existência de uma “máfia da profissionalização”, no futebol sergipano. Por considerar a denúncia muito grave o presidente em exercício da Federação Sergipana de Futebol (FSF), Luiz Santana recebeu do presidente Milton Dantas, autorização para apurar a denúncia.

Segundo Luiz Santana, a FSF repudia essa atitude ilícita e encaminhará a denúncia ao TJD/SE para queos fatos sejam apurados e restabelecida a verdade e se for o caso, punição para os envolvidos nessa prática ilícita, nociva ao futebolsergipano, com punição para os envolvidos, conforme alegislação esportiva.

Na denúncia, o Coronel Pontual diz estar em viagem ao Rio de Janeiro “e soube através de amigos, que o Presidente Saulo, da Socorrense esteve em seu programa e alegou que minha saída foidevido adivergências de opiniões. Então,aproveito a oportunidade para explicar a minha saída.

No futebol sergipano está acontecendo a máfia da profissionalização.Tal procedimento geralmente é realizado com a conivência de alguns presidentes de clubes e de alguns péssimos treinadores. Essa máfia age aliciando jovens, que sonham em ser jogador de futebol profissional. Então, essas pessoas de máíndole, aproveitando dessa situação, cobram um valor exorbitante,geralmente de R$ 1.500,00 a 2.000,00. E o pior: os pais desses garotos,geralmente são trabalhadores braçais, como,pedreiros,caminhoneiros,etc.... e para realizar o sonho dos filhos pagam essa quantia.

Acontece que estava gerenciando o futebol do Socorrense e descobri esses fatos, com comprovação de depósito na conta de Edilson e áudio dos pais dos garotos, sobre esses fatos lamentáveis. Me reuni com o Presidente Saulo,Tonho da Caixa e o tesoureiro do clube,professor Lito.E, ao relatar o referido assunto com a devida comprovação, em virtude de a denúncia ser grave,o Presidente concordou com a demissão do treinador Edilson. Porém, aproveitando a minha ausência, o presidente Saulo desfez de tudo e manteve Edilson como treinador, mesmo sabendo que de um garoto, havia um depósito no valor de R$ 1.400,00 na conta de Edilson, realizado pelo pai. Taldeposito foi mostrado juntamente com áudio...

De outro garoto, Edilson,acertou o valor de R$1.500,00 para profissionalizar, sendo depositado na conta de Edilson o valor de 700 reais.Ao descobrir essa “podridão” falei ao pai que não depositasse mais...

...Também foram cobradas mais 3 parcelas de R$250,00 para ajudar na alimentação do Socorrense. Sendoapenas,depositado o valor de R$ 250,00na conta de Edilson. Porem, esse dinheiro nunca foi revertido para alimentação,porque játeve dias que os garotos passaram fome por falta de alimentação.

Destaforma, só tenho a lamentar esses acontecimentos no futebol e dizer que em reunião com as pessoas acima citadas,o presidente Saulo, disse que essas atitudes são normais no futebol. Então, discordei e discordo com ele,porque ser desonesto e normal. Pode ser para ele. para mim não.

Passei 30 anos de serviço na Policia Militar e 12 anos na arbitragem do futebol sergipano e, nunca me envolvi em ato de desonestidade. Portanto,não compactuo e nem compactuarei com coisas erradas. Tudo que falei tenho provas escritas,depósitos e testemunhal,sem se falar que o senhor Edilson confessou todos esses atos obscuros na presença de Saulo,professor Lito e de Tonho da Caixa.

Fica aqui a minha insatisfação e indignação da máfia da profissionalização do futebol sergipano. Sendo investigada, com certeza terá, mas dirigentes e treinadores com possíveis envolvimentos.