Hospital volta a fazer cirurgias pelo SUS

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 25/10/2017 às 06:28:00

Milton Alves Júnior

 

Depois de 13 dias com as atividades suspensas, a Fundação Beneficente Hospital de Cirurgia retoma hoje as cirurgias eletivas destinadas à pacientes usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). A informação foi confirmada na tarde de ontem pela direção da unidade filantrópica após receber da Prefeitura de Aracaju a garantia de pagamento dos débitos os quais ultrapassam a casa de um milhão de reais. Conforme destacado pelo HC, essa quantia, referente aos meses de julho e agosto desse ano, será paga em três prestações a começar ainda neste ano de 2017. As datas e valores parcelados não foram divulgados.

No quesito assistência aos pacientes que sofreram com o cancelamento dos procedimentos cirúrgicos, a administração hospitalar garantiu que todas as demandas em atraso serão remarcadas de imediato e de acordo com a disponibilidade de cada usuário. Essas remarcações começam a partir desta semana. A decisão de aceitar a contraproposta da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), partiu após diálogo extraordinário promovido com membros da cooperativa de anestesiologistas, os quais concordaram com a promessa. Ficou definido ainda que, caso a PMA não respeite o acordo, as atividades voltam a ficar suspensas por tempo indeterminado.

A pendência financeira se estende, ainda, para o Hospital São José e Maternidade Santa Isabel. Por unidade, a PMA declarou recentemente que junto à Maternidade Santa Isabel foi contabilizado um acúmulo em maior escala, algo em torno de R$ 5,3 milhões, a qual está nos planos para dissolução gradativa; o São José a dívida é inferior a um milhão; e o Hospital de Cirurgia possui uma cenário diferenciado. Em 2015 créditos foram repassamos para a unidade, porém apenas 75% dele foi utilizado. Segundo cálculos da PMA, os demais 25% resultam em aproximadamente dois milhões de reais, suficiente para quitar a dívida de R$ 1,5 milhões.

Todos os trâmites estão ocorrendo sob análise e acompanhamento do Ministério Público Estadual (MPE), por intermédio da Promotoria dos Direitos à Saúde.