Diretores da Emsurb podem reassumir cargos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 26/10/2017 às 06:23:00

Milton Alves Júnior

 

Depois de seis meses e 15 dias de afastamento das respectivas atribuições administrativas, todos os gestores da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb) investigados pela Operação Babel, estão liberados para reassumir as funções caso seja de interesse do prefeito Edvaldo Nogueira. A decisão foi tomada ontem pelo Tribunal de Justiça de Sergipe o qual julgou procedente o pedido formalizado pela Prefeitura de Aracaju, em mandado de segurança. As investigações relacionadas à suposta prática de irregularidade em contrato com a empresa Torre Empreendimentos ficou sob a relatoria da desembargadora Ana Lúcia Freire dos Anjos.

Antes de chegar ao conhecimento do Ministério Público Estadual (MPE), e posteriormente repassada à corte jurídica, a operação foi realizada pela Secretaria de Estado da Segurança Pública, através do setor de inteligência da Polícia Civil, e por intermédio de profissionais do Departamento de Crimes Contra a Ordem Tributária e Administração Pública (Deotap). Independentemente da ideologia política-administrativa dos chefes do executivo municipal, o que já se pode garantir é que o ex-presidente Mendonça Prado e a ex-procuradora chefe da Emsurb, Rosenice Figueiredo Machado, não reassumem os postos em virtude de terem pedido renúncia durante as investigações.

Segue indefinido o futuro dos gestores: José Roberto Gomes do Carmo, da Gerência Operacional, Sylvia Emília Cardoso Calazans, da Presidência da Comissão de Licitação, Márcio Zylberman, da Assessoria de Planejamento, e de José Reinaldo de Souza, da Diretoria de Limpeza Urbana. Até o final da tarde de ontem o prefeito Edvaldo Nogueira ainda não havia se manifestado quanto à decisão do TJ, nem sinalizado possível retorno imediato dos quatro gestores citados na operação, e que não protocolaram pedido de renuncia das atribuições desenvolvidas. Assim como a executiva da PMA, a direção da Emsurb também não se manifestou publicamente.

Durante as investigações surgiram ainda os nomes de: Alexsandro dos Santos – integrante da assessoria jurídica do Sindilimp, José Antônio Torres Neto – sócio da Torre Empreendimentos, José Carlos Dias da Silva – diretor da Torre Empreendimentos, José da Silva Araújo Silva – diretor da Torre Empreendimentos, Júlio Cesar Flores Correia – ex-presidente presidente da Emsurb, Lucimara Dantas Passos – ex-presidente da Emsurb, Rayvanderson Fernandes dos Santos – presidente do Sindilimp, e Soraya Machado Torres – sócia da Torre Empreendimentos. Todos foram ouvidos pelo Departamento de Crimes Contra a Ordem Tributária e Administração Pública.

Há um mês, Mendonça Prado já havia sido informado da tendência em ser absorvido do inquérito e aproveitou para anunciar que estaria rompendo com a atual administração da capital sergipana. O ex-deputado federal, e secretário de Estado da Segurança Pública, também se apegou ao fato de o Pleno do Tribunal de Justiça ter deferido liminar, no dia 17 de agosto, determinando o retorno imediato do ex-deputado a presidência da Emsurb. Informou ele, por nota: "Mesmo com a decisão favorável do Poder Judiciário determinando o meu retorno às funções públicas, não tenho mais nenhum interesse de participar da gestão de Edvaldo, político que ajudei com todos os meus esforços e total dedicação, a se tornar mais uma vez prefeito de Aracaju.