Emergência do Hospital de Lagarto retoma atendimento integral

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 26/10/2017 às 05:39:00

Moradores de Lagarto e região voltarão a ser atendidos em tempo integral pelo hospital-escola do município, vinculado à Universidade Federal de Sergipe (UFS). Após seis meses de operações apenas parciais, a unidade voltará a funcionar com capacidade máxima, graças à intervenção do líder no Congresso Nacional André Moura (PSC-SE) junto ao Ministério do Planejamento.

Desde maio, por determinação do Conselho Regional de Medicina de Sergipe (Cremese), parte das atividades do hospital foi interrompida em razão da falta de profissionais de saúde – o atendimento ficou restrito a quatro dias por semana. A fim de solucionar o impasse, André Moura esteve há um mês com o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira. Acompanhado do reitor da UFS, Ângelo Antoniolli, ele solicitou a liberação de crédito suplementar para contratar 75 servidores temporários, em caráter de urgência.

Nesta terça-feira (24), o pedido foi acatado e, de acordo com o superintendente da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), Valter Santana, responsável pela administração do hospital-escola, já na próxima semana serão convocados 40 médicos, 10 enfermeiros e 25 técnicos de enfermagem. “Com esse reforço na equipe, o número de procedimentos aumentará consideravelmente. Hoje atendemos uma região com algo entre 250 mil e 300 mil pessoas. Temos duas salas cirúrgicas em funcionamento e pretendemos dobrar esse número”, explicou o superintendente.

A chegada de mais profissionais permitirá ainda expandir para 12 mil o número de consultas médicas mensais – hoje são quatro mil. De igual forma, atualmente são realizadas cerca de cem cirurgias por mês, a meta é aumentar para mil procedimentos mensais. De acordo com Valter Santana, com o crédito suplementar, a emergência funcionará normalmente e não haverá descontinuidade no atendimento ambulatorial. “André Moura foi fundamental na articulação e na garantia da liberação desses recursos. Ele tem a nossa gratidão e admiração”.