Estudantes expõem projetos de iniciação à ciência e à tecnologia

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A feira foi realizada no campus da UFS . Foto: Maria Odília/SEED
A feira foi realizada no campus da UFS . Foto: Maria Odília/SEED

Foto: Maria Odília/SEED
Foto: Maria Odília/SEED

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 28/10/2017 às 00:04:00

Promover uma grande atividade de divulgação científica para aproximar a população do conhecimento científico e tecnológico produzidos nas universidades, faculdades e escolas públicas e privadas sergipanas. Este foi um dos objetivos da Feira Científica de Sergipe, realizada nesta sexta-feira, no Centro de Vivência da Universidade Federal de Sergipe (UFS), Campus São Cristovão, com a participação de centenas de alunos, professores e pesquisadores.

A Secretaria de Estado da Educação (Seed), responsável por gerenciar uma rede de ensino composta por 357 escolas públicas em todos os municípios sergipanos, participou deste evento por meio da apresentação dos projetos e experimentações científicas elaborados por professores e alunos destas unidades escolares.

Com apoio do Governo de Sergipe, em sua sétima edição, a feira expôs 241 trabalhos de divulgação institucional, de popularização da ciência e de bolsistas do Programa de Iniciação Científica Júnior (PIBICJr), e outros 169 trabalhos da Educação Básica, na mostra Cienart. Ao todo, 50 escolas estaduais participaram do maior evento de divulgação científica do Estado, integrante da programação da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT), que ocorre em todo país este ano com o tema "A Matemática está em tudo".

Os trabalhos e experimentos científicos expostos pelos alunos das unidades de ensino da rede pública estadual na VII Feira Científica de Sergipe, tanto os do ensino fundamental quantos os do ensino médio, abordaram as mais diversas áreas do conhecimento. Esses projetos, em sua maioria, resultam das atividades desenvolvidas pelos professores com os alunos nas escolas, interdisciplinarmente, de modo a complementar os estudos obrigatórios e oferecer habilidades e conhecimentos para vida, como os são os projetos elaborados nos centros de excelência que ofertam o ensino médio no modelo integral do Programa Estadual Escola Educa Mais.

 

 

Alimentação saudável - Com a ideia de mostrar aos estudantes, e à comunidade escolar por extensão, os riscos alimentares e os benefícios de se manter uma alimentação saudável, os professores de Química e Biologia do Centro de Excelência José Rollemberg Leite, ministraram uma disciplina eletiva intitulada "Do mato ao prato". O resultado das atividades desenvolvidas ao longo do primeiro semestre letivo com os alunos da primeira série do ensino médio integral foi formatado como projeto científico, com o mesmo nome da disciplina, e apresentado ao público que visitou as instalações da feira.

De acordo com o professor de Biologia do CE "Jose Rollemberg Leite", Celso de Freitas, a disciplina foi elabora levando em conta as informações apresentadas pelos estudos na elaboração dos seus projetos de vida, um diferencial do modelo de ensino em tempo integral do Programa Escola Educa Mais. "Para tanto, desenvolvemos diversas pesquisas sobre o tema, fizemos atividades de campo, com visitas à feira livre do bairro, e promovemos uma série de estudos que vão além dos conteúdos trabalhados nas duas disciplinas", explica.

 Moradores de Barra dos Coqueiros, os alunos do Colégio Estadual Professor José Franklin levaram para a Feira Científica o projeto "Rio Sergipe e Tototó: Turismo pedagógico e valorização do patrimônio histórico e cultural", desenvolvido com os estudantes do ensino médio dentro do planejamento Político Pedagógico da escola, ao longo do ano letivo 2017, nas disciplinas História e Geografia.

Segundo as professores responsáveis pela iniciativa, o projeto se utilizou das Tototós (embarcação que realizava a travessia marítima de passageiros Aracaju/Barra dos Coqueiros/Aracaju), para percorrer diversos roteiros e apresentar aos alunos bens patrimoniais do povo sergipano, proporcionando vivências fora da sala do ambiente de sala de aula, promovendo o conhecimento histórico, geográfico, socioambiental e cultural, com destaque para o município no qual os alunos estão inseridos, criando neles um sentimento de identidade.

Dada a quantidade e a qualidade dos trabalhos apresentados pelos alunos das escolas estaduais, a VII Feira Científica de Sergipe demonstrou mais uma vez que a rede pública estadual de ensino é um verdadeiro celeiro de produção científica e tecnológica. Unidades escolares como o Colégio Estadual Deputado Guido Azedo, do município de Areia Branca, foi ao evento expor 6 projetos de iniciação científica elaborados por alunos e professores da escola.