Dia de Finados movimenta os cemitérios

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Os cemitérios foram limpos e floristas quem ampliar vendas. Foto: Divulgação
Os cemitérios foram limpos e floristas quem ampliar vendas. Foto: Divulgação

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 03/11/2017 às 08:08:00

Milton Alves Júnior

 

Dia dos Finados de lucro e trabalho redobrado para dezenas de vendedores de flores e velas. Desde o início da manhã de ontem o setor vem registrando aumento superior à casa dos 150% se comparado às ultimas semanas, e de até 10% em comparação ao mesmo período do ano passado. Além de flores e velas dos mais variados modelos, os comerciantes tentam conquistar a preferência dos consumidores ao oferecer brindes e condições especiais de pagamento. De acordo com as perspectivas dos vendedores, a previsão é que o bom fluxo de clientes se estenda até às 13h desta quinta-feira.

Paralelo ao comércio intenso nos arredores dos cemitérios públicos e particulares, em Aracaju, o movimento expressivo também promete ser realizado na tradicional Passarela das Flores, que fica entre os Mercados Centrais Antônio Franco e Tales Ferraz, bairro centro da capital. Parcialmente satisfeita com o resultado preliminar das vendas, a comerciante Fátima dos Santos – que atua no seguimento há 22 anos, espera que o dia de hoje permaneça produtivo e suficiente para compensar o investimento feito para esta data. Em busca dos objetivos ela reuniu a família e criou dois pontos paralelos à base central.

 “Mais uma vez decidimos montar barracas em dois dos mais movimentados cemitérios para ver se conseguimos faturar uma renda extra nesse Dia dos Finados. Enquanto fico aqui no centro, dois filhos ficam posicionados em pontos diferentes enquanto o meu marido fica responsável pela logística. Tudo bastante planejado para não faltar produto em nenhum local e não perdermos vendas”, disse. Em geral, os produtos mais procurados variam entre R$ 10 e R$ 150, podendo ser encontrado para mais ou para menos. O gosto e as condições financeiras do cliente são os aspectos que definirão o produto a ser adquirido.

Nada como a arte da pechincha não possa colaborar na hora da compra. De acordo com o vendedor José Edmilson, a meta dos comerciantes é buscar agradar aos clientes até o limite do lucro mínimo. “Evidentemente não iremos dar os produtos, mas se por ventura a pessoa desejar, por exemplo, apenas três rosas, nós venderemos; uma, nós também venderemos. Com uma boa conversa a gente se ajeita. Só não gostamos de negociar com pessoas que esperam sair daqui com o produto praticamente de graça. Tem que ser bom para os dois lados”, declarou.

Conforme anunciado pela Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb), todo o complexo dos mercados centrais de Aracaju (Albano Franco, Thales Ferraz e Antônio Franco), estarão funcionando das 6h ao meio-dia. A Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL), informou que a perspectiva para hoje é de, no mínimo, 60% dos estabelecimentos deste setor de portas até o início da tarde. “Estamos trabalhando para ultrapassar as vendas que realizamos no Dia das Mães, Dia das Mulheres e Dia dos Namorados. Vamos bater essa meta”, pontuou Edmilson.