Em Sergipe, a produção de Petróleo e Gás Natural caiu em setembro

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A produção de petróleo em Sergipe voltou a cair. Foto: Divulgação
A produção de petróleo em Sergipe voltou a cair. Foto: Divulgação

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 07/11/2017 às 06:32:00

Análise realizada pelo Boletim Sergipe Econômico, parceria do Núcleo de Informações Econômicas (NIE) da Federação das Indústrias do Estado de Sergipe (FIES) e do Departamento de Economia da UFS, com base nos dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), mostrou que a produção de petróleo no estado, em setembro de 2017, ficou em 692,2 mil barris equivalentes de petróleo (BEP), ficando 2,6% abaixo da produção do mês imediatamente anterior, agosto último. Já no comparativo anual (setembro/2016), a retração atingiu os 23,3% na produção. No acumulado do ano corrente, janeiro a setembro, a produção ficou próxima dos 6,6 milhões de bep, com retração de 23,2%, quando comparado com o mesmo período de 2016.

Do total produzido em setembro, aproximadamente 153,7 mil barris, ou 22,2%, foram extraídos do mar.  Em termos relativos, observou-se retração de 6%, em comparação com o mês imediatamente anterior, já na comparação com o mesmo mês do ano passado, a retração chegou aos 35,8%.

A produção em terra, por sua vez, respondeu por 77,8% da produção total, chegando aos 538,5 mil bep. No comparativo com o mês anterior (agosto/2017), verificou-se retração de 1,6%. Quando comparado com o mesmo mês do ano passado, a retração foi muito superior, chegando aos 18,8%.

 

Produção de Gás - A produção de gás natural, em setembro, ficou em aproximadamente 442,2 mil bep, em termos relativos, houve retração de 4,1%, na comparação com a produção do mês imediatamente anterior, agosto último. Quando comparado com o mesmo mês de 2016, a retração chegou aos 12,7%. Nos nove primeiros meses do ano corrente, a produção ficou próxima dos 3,7 milhões de bep, com retração de 19,4%, quando comparado com o mesmo período de 2016.

A produção em mar continuou sendo a principal fonte de produção, somando mais de 415,6 mil barris, abrangendo 94% do total produzido no estado. Em termos relativos, observou-se retração de 3,6%, em comparação com o mês imediatamente anterior, já na comparação com o mesmo mês do ano passado, a retração chegou aos 12,6%.

Ao passo que a produção terrestre ficou próxima dos 26,5 mil barris, respondendo por 6% da produção do estado. No comparativo com o mês anterior (agosto/2017), verificou-se queda de 11,2%. Quando comparado com o mesmo mês do ano passado, a retração atingiu os 14%.