Ary Resende renuncia comando do Sergipe

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Por incompatibilidade de cargos, entre as funções na CBG e a presidência do Sergipe, Ary Resende renuncia o comando do time rubro. Foto: Divulgação
Por incompatibilidade de cargos, entre as funções na CBG e a presidência do Sergipe, Ary Resende renuncia o comando do time rubro. Foto: Divulgação

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 07/11/2017 às 06:41:00

Ary Resende não é mais presidente do Sergipe. O dirigente entregou nesta segunda-feira 6, uma carta renúncia ao presidente do Conselho Deliberativo Lailson Melo, a quem cabe a partir de agora assumir o comando do time rubro. A renúncia, no entanto, só será oficializada depois de aprovada pelo Conselho Deliberativo.

- Realmente recebi a carta renúncia do presidente Ary Resende. Cabe a mim agora estatutariamente como presidente do Conselho, convocar uma reunião extraordinária para validar o pedido de renúncia. A partir daí se convoca nova eleição dentro do período de 30 dias, ou presidente do Conselho se assim achar, assume a presidência do clube até o final do mandato, previsto para o final de 2018, relatou Lailson Melo.

O dirigente disse ainda que a reunião do Conselho será convocada para a próxima terça-feira dia 14 de novembro. Nela será definido o destino administrativo da equipe que pode continuar com Lailson Melo na presidência do clube, ou convocação de novas eleição.

Ainda sobrea saída de Ary Resende, o ex-presidente do Sergipe disse que era com dor no coração que tomava essa decisão. “Todos sabem minha dedicação, carinho e quanto amo e defendo os interesses do Sergipe. Minha saída tem um motivo justo. É uma como se fosse por uma questão legal, a incompatibilidade de cargos entre a presidência do Sergipe e minhas funções na Confederação Brasileira de Ginástica (CBG)”, comentou Ary Resende.

O dirigente falou sobre o cargo da esposa na CBG. “Todos sambem que minha esposa é presidente da CBG, uma entidade de esporte olímpico, que está à frente da ginástica brasileira e internacional. O esporte olímpico brasileiro passa por uma situação delicada, momentos que merecem uma atenção especial. Dessa forma fomos orientados a não ocupar nenhum cargo diretivo em outra equipe, pois isso poderia vir futuramente prejudicara presidente Luciene. Por isso não tive outra alternativa a não ser renunciar ao cargo de presidente do Sergipe, devido a incompatibilidade de cargos”, concluiu Ary Resende.