Nome forte

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Trabalho do escultor Pinto
Trabalho do escultor Pinto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 20/11/2017 às 06:26:00

O PMDB e partidos aliados consolidaram ontem o nome do vice-governador Belivaldo Chagas como pré-candidato do grupo ao governo do Estado. Apesar de não ser uma liderança carismática, Belivaldo é reconhecido por cumprir compromissos, respeitar os adversários, ter afinidade com os mais carentes e transitar bem entre todos os setores políticos e econômicos.

Apesar de já ser um veterano na política, com quatro mandatos de deputado estadual e dois como vice-governador, Belivaldo Chagas pode ser apresentado como um “político novo”, na idade, ao menos, como cobra a sociedade. E coerente, sem nunca ter trocado de lado, apesar das refregas com o senador Valadares, conterrâneo de Simão Dias e responsável pelo início da sua vida pública.

O rompimento com Valadares, aliás, serve para exemplificar bem a lisura política de Belivaldo Chagas. Em 2014 ele foi indicado pelo senador como candidato a vice-governador na chapa de Jackson Barreto, eleito no primeiro turno com mais de 120 mil votos de frente.

Como a eleição para a presidência foi para o segundo turno, Valadares decidiu apoiar a candidatura do senador Aécio Neves, enquanto Belivaldo manteve-se ao lado de Jackson, que desde o primeiro turno estava com a petista Dilma Rousseff, a quem o senador também havia apoiado em 2010. O racha começou ai e foi agravado com a decisão de Valadares em romper com Jackson Barreto, mesmo com a participação do seu partido no governo.

O rompimento ficou mais acentuado com a candidatura de Valadares Filho, pela segunda vez, à Prefeitura de Aracaju. Como já havia ocorrido no caso da presidência da República, Belivaldo se manteve ao lado do governador Jackson Barreto e apoiou Edvaldo Nogueira, que acabou vencendo, após acirrada disputa no segundo turno.

Hoje, Belivaldo é o nome que mais agrega apoios na disputa pelo governo do Estado. Tem uma base sólida, que poderá ainda ser fortalecida caso o governador Jackson Barreto decida mesmo disputar o mandato de senador. Nesse caso, assumiria o governo em abril e disputaria na condição de governador, com a caneta na mão. Num estado como Sergipe, apesar da crise econômica que vem provocando atraso nos salários dos servidores e a retração de atividades econômicas, é uma grande vantagem.

Mais ainda quando não há nenhum nome forte na disputa. A oposição está dividida e não sabe se marcha com Valadares, o senador Amorim ou o deputado federal André Moura, hoje nome de destaque na política sergipana, em função da sua condição de líder do governo Temer no Congresso Nacional, atraindo recursos para o Estado.

André e Amorim são tidos como irmãos siameses. Valadares flerta com todos os lados e nem mesmo seus aliados mais próximos descartam a possibilidade de um acordo de bastidores em torno da candidatura de Belivaldo, principalmente se for descartado por André e Amorim. Pode disputar o governo ou tentar o quarto mandato como senador, mas não tem grupo. Desde a sua primeira eleição para o Senado, em 1994, foi protegido por Marcelo Déda e/ou por Jackson Barreto. Desta vez teria que fazer carreira solo.

O senador Amorim é um político anódino, vai de um lado para o outro sem saber explicar bem as razões. De quadro importante do PSC, até por ser o único senador do partido, resolveu comandar o PSDB de Sergipe no momento mais crítico da legenda. Recebeu as bênçãos do senador Aécio Neves, de quem foi um devotado cabo eleitoral em 2014, flertou com o prefeito de São Paulo João Dória, e agora tenta agradar o governador de São Paulo Geraldo Alckmin, que deverá ser o candidato do partido a presidente da República. No mês passado, votou para livrar Aécio do afastamento imposto pelo STF, em função da propina de R$ 2 milhões, recebida em malas por um primo de Minas Gerais.

André Moura é um nome forte entre os mais ricos, tem grande rejeição nas camadas populares dos maiores municípios e enfrenta uma série de problemas jurídicos que podem inviabilizar, inclusive, a sua tentativa de reeleição para deputado federal.

Se Belivaldo enfrenta problemas por ser governo num momento de grave crise econômica, seus adversários não sabem o que fazer. E ainda tem a seu favor a unidade dos partidos que apoiam o governo e a força da liderança popular de Jackson Barreto, que cresce ainda mais nos momentos de crise.

-

Se Belivaldo enfrenta problemas por ser governo num momento de grave crise econômica, seus adversários não sabem o que fazer. E ainda tem a seu favor a unidade dos partidos que apoiam o governo e a força da liderança popular de Jackson Barreto, que cresce ainda mais nos momentos de crise

-

Valdevan Noventa

No feriado de 15 de novembro, a jornalista Rita Oliveira, em sua coluna no Jornal do Dia, provocou uma agitação na política sergipana ao revelar os planos de Valdevan Noventa, presidente do Sindicato dos Motoristas de Ônibus de São Paulo (Sindmotoristas-SP), de disputar mandato de deputado federal pelo Estado de Sergipe. Sergipano de Estância, Noventa voltou a frequentar o Estado e, como informou a jornalista, passou a patrocinar festas e eventos nos municípios da região Sul e montou um grupo de blogueiros e radialistas para defender o seu nome.

Valdevan Noventa é acusado de diversos crimes no Estado de São Paulo, onde reside. Como a sua ficha por lá é muito conhecida, pretende disputar um mandato, se não for impugnado pela justiça, pelo Estado de Sergipe.

Na quinta-feira, Indagado por Gilmar Carvalho porque pretende disputar mandato por Sergipe e não por São Paulo, disse que vai para a disputa pelo estado a pedido dos amigos, pela necessidade do povo que na região sul não tem liderança e por se sentir bem em Sergipe, onde tem amigos, familiares e se criou na roça. Ressaltou que não haverá incompatibilidade como dirigente sindical de São Paulo, por passar de dois a três dias da semana lá e o restante em Sergipe, como faz um deputado federal e um senador, que trabalha apenas de terça a quinta-feira em Brasília.

“Como perguntar não ofende: como um motorista sindicalista de ônibus tem tanto dinheiro para passagens semanais de avião São Paulo/Aracaju/São Paulo e ainda patrocinar festas no interior? Deve ser porque os motoristas de ônibus de São Paulo devem ganhar quase igual a deputado federal, que tem ainda ajuda de custo para as passagens”, comentou Rita Oliveira.

É mais um aventureiro.

-

Menos médicos

 

A ex-presidente Dilma Rousseff criticou o decreto de Michel Temer que proíbe a criação de novos cursos de Medicina no País por um período de cinco anos, atendendo a um lobby da corporação. Em sua página na internet, Dilma lembrou que o Brasil tem no máximo a metade do número de médicos de que necessita e a maioria se concentra nos grande centros urbanos.

"Quando criamos o programa Mais Médicos, 700 municípios brasileiros não tinham nenhum médico, 1.900 municípios tinham apenas um médico e outras tantas cidades só contavam com um médico alguns dias por semana", diz Dilma. "Nós fizemos o Mais Médicos, programa aprovado pela população atendida. O Governo golpista, fiel a sua vocação antipopular,  coloca em prática o 'Menos Médicos'", criticou a petista.

Sergipe foi um dos Estados beneficiados com o programa Mais Médicos.

-

Julgamento de Angélica

O ministro Benedito Gonçalves adiou desta segunda-feira (20) para o próximo dia 29, o julgamento pela Corte Especial do STJ de ação do Ministério Público Federal contra a conselheira do TCE/SE Angélica Guimarães. O processo foi movido pela fraude das subvenções, na época em que presidia a Assembleia Legislativa de Sergipe.

O adiamento foi motivado por pedido do advogado de defesa da conselheira, Márcio Macedo Conrado, que já tinha uma viagem agendada no dia 20. O ministro Benedito Gonçalves atendeu o pedido, apesar de lembrar que  “o Dr. Márcio Conrado não era o único defensor constituído pela requerente”.

Além de Márcio Macêdo Conrado, os advogados de Angélica Guimarães são Ciro Bezerra Rebouças Júnior e Lays do Amorim Santos.

-

Festa do PMDB

O PMDB realizou grande festa neste sábado, no Instituto Histórico, para confirmar a pré-candidatura de Belivaldo Chagas ao governo do Estado. No ato, que teve a participação de lideranças de todos os partidos da base governista, ficou claro que todos desejam também a candidatura do governador Jackson Barreto ao Senado Federal.

O deputado federal Fábio Mitidieri avisou que já está preparando a reunião das lideranças do PSD com Belivaldo Chagas para apresentá-lo como pré-candidato do partido ao governo. Será no próximo sábado (25), na fazenda da sua família, em Nossa Senhora das Dores.

A primeira reunião ocorreu no PT. Outros encontros serão marcos no mês de dezembro.

-

Cotas para negros

Nesta segunda-feira, Dia da Consciência Negra, o governador Jackson Barreto entregará ao presidente da Assembleia Legislativa, deputado Luciano Bispo, mensagem e Projeto de Lei que institui a cota de 10% destinada aos negros em concursos públicos para provimento de cargos efetivos na administração pública estadual, das autarquias, das fundações públicas e das sociedades de economia mista controladas pelo Estado. A solenidade ocorre no Palácio dos Despachos, às 10 horas.

O prefeito Edvaldo Nogueira também pretende adotar nos próximos dias a medida na cidade de Aracaju