Gualberto nega problemas com distribuição do ICMS aos municípios

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 22/11/2017 às 06:24:00

O deputado estadual Francisco Gualberto (PT), líder do governo na Assembleia Legislativa, nega que exista a possibilidade de o governo do Estado estar cometendo erros no repasse do ICMS devido aos municípios. A questão vem sendo abordada pelo deputado oposicionista Georgeo Passos (PTC), que insinua até um pedido de intervenção federal ou impeachment do governador Jackson Barreto por conta de sua tese.

“Não é nada do que o deputado falou. Não existe dívida de ICMS do Estado com nenhum município. Irei mostrar isso aqui na Alese com dados oficiais”, rebateu Gualberto, avisando que fará um pronunciamento em breve mostrando toda a situação sobre o fato. “Essa parece ser uma política inspirada em Nero (imperador romano), querendo tocar fogo no Estado. Estou impressionado com esse entusiasmo pelo nerismo. Há uma euforia para tocar fogo no Estado porque sabem que o grupo deles não ganha a eleição para o governo”, provocou Francisco Gualberto.

O líder governista disse ainda que as discussões precisam ser feitas no campo da política, sem invencionices nem subterfúgios. “A tese dele não se sustenta com o que ele diz, mesmo considerando os documentos que diz ter do governo e do Tribunal de Contas”, afirma Gualberto. “No aspecto político, o grupo dele não se sustenta, mesmo com todas as dificuldades que o nosso governo tem. O estilo dele, com todo respeito, às vezes vem do coronelista que não se conforma com outro ambiente democrático e popular. Mas as disputas nunca deixarão de acontecer”.

Além do mais, insinuar intervenção federal ou impeachment, segundo Gualberto, é como se fosse um segundo golpe. “Traz as influências do governo federal golpista para implantar em Sergipe. Chega de golpe, não dá para ser assim”, disse. “Essa história de nova política nem sempre tem a ver com cronologia. A gente vê pessoas jovens com a mentalidade totalmente ultrapassada, querendo usar meios que não se diferenciam muito do que existe de mais atrasado na política, no Brasil e no mundo afora. Então é preciso fazer também o embate de concepção”, alertou o deputado Francisco Gualberto. “Nesse momento Georgeo é da oposição, ele não irá governar, não irá abater nosso governo com suas teses que não se sustentam tecnicamente. Nós sabemos o que está por trás”.