Festa do PSD para Belivaldo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 25/11/2017 às 06:23:00

No dia 07 de outubro passado, na casa do deputado estadual Luiz Mitidieri (PSD), ficou acordado entre as lideranças políticas da base do governador Jackson Barreto (PMDB) que o vice-governador Belivaldo Chagas (PMDB) seria o nome do agrupamento para disputar o governo em 2018. E que todas as legendas do bloco promoveriam um grande ato com as suas lideranças visando apresentar Belivaldo como pré-candidato do grupo.

O primeiro partido a fazer a reunião com essa finalidade foi o PT. Isso ocorreu no dia 6 de novembro na casa do presidente estadual do partido, Rogério Carvalho, e serviu para que acabassem as especulações de que Rogério estava trabalhando para ser o candidato a governador e não a senador.

Em 18 de outubro foi a vez do partido do governador Jackson Barreto fazer uma grande reunião no Instituto Histórico de Sergipe para referendar o nome do peemedebista Belivaldo para a sucessão de JB. Foi esse grande ato do PMDB em uma manhã de sábado – com as presenças de JB, de prefeitos do partido, deputado federal, deputados estaduais, vereadores, vice-prefeitos e demais lideranças - que levou a uma reação do senador Antônio Carlos Valadares (PSB),

Disse Valadares, que também tem pretensões de disputar o governo, pelas redes sociais: “No encontro do PMDB só discurso político de que o governo JB e o seu candidato são imbatíveis. Nenhum projeto para o resgate da credibilidade do Estado em matéria de saúde, segurança e educação. Foi a exaltação do fracasso”.  

Hoje é o dia do PSD promover uma ampla reunião com as lideranças do partido no estado par referendar o nome de Belivaldo para o governo. Será a partir das 10, na fazenda do deputado Luiz Mitidieri, no município de Nossa Senhora das Dores.

A expectativa do deputado federal Fábio Mitidieri é o partido reunir as lideranças dos 72 diretórios do PSD. Ele passou ontem o dia terminando a mobilização das lideranças na capital e interior do estado.

A expectativa do governador é que nos próximos dias os demais partidos aliados, como PDT, PRB e PCdoB, promovam um grande evento para apresentar Belivaldo como o candidato a governador, como ficou acordado.

Por enquanto, no agrupamento político de JB apenas dois dos quatro nomes da chapa majoritária são consenso: o de Belivaldo para o governo e o de Jackson para o Senado.

O PT, PRB e PSD querem uma vaga na majoritária. O PRB e PT pleiteiam  a vaga de senador para Heleno Silva e Rogério Carvalho respectivamente. Já o PSD quer a vaga de vice-governador.

Fabio Mitidieri deu a solução para o impasse: Belivaldo se filiar ao PSD. Isso faria com que o PRB e PT ficasse com a indicação do candidato a vice e o Senado. Há tempos atrás, Heleno chegou a declarar que o seu partido não iria opor-se a indicar o vice.

Agora é aguardar o desenrolar dos acontecimentos, até porque tem muita água pra rolar por debaixo da ponte até as convenções partidárias de julho.  

.................................................................................................................

 

Otimista com o encontro

Para o deputado federal Fábio Mitidieri (PSD) o encontro hoje das lideranças do seu partido com Belivaldo Chagas (PMDB), em clima de confraternização, será uma oportunidade dele conhecer o agrupamento de perto e compromisso do projeto. “Vai dá certo. Belivaldo é um homem sério. Foi deputado estadual, secretário da Educação, é secretário da Casa Civil e vice-governador sempre com postura digna e coerente. Tem um perfil que a sociedade espera de um político”, avalia.

 

Reunião dos prefeitos 1

O prefeito Marcos Santana (PMDB-São Cristovão) marcou para o próximo dia 9 de dezembro, no seu município, uma reunião com os prefeitos que apoiam o nome de Belivaldo Chagas para o governo. Será a partir das 10h, no Convento São Francisco.

 

Reunião dos prefeitos 2

Segundo Marcos, que já começou a convidar os prefeitos, a expectativa é que cerca de 50 gestores marquem presença no encontro pró-Belivaldo. Revela que após realização da reunião, haverá um almoço de confraternização.

 

Ponto de vista 1

O ex-deputado federal Heleno Silva (PRB) responde a nota publicada ontem na coluna: “Alguns aliados do governador já estão sentindo “cheiro” da saída do ex-deputado federal Heleno Silva, que pleiteia uma vaga para o Senado, e do seu agrupamento político para o grupo do senador Eduardo Amorim (PSDB) e do deputado federal André Moura (PSC). Vão sugerir a JB que convidem o ex-prefeito de Nossa Senhora da Glória, Serginho Oliveira, para disputar a vaga de deputado federal pelo sertão. Foi o que disse ontem à coluna um dos aliados de Jackson Barreto”.

 

Ponto de vista 2

 

Diz Heleno: “Na verdade, esses alguns aliados que estão sentindo o cheiro de saída de Heleno é porque não esperavam o meu crescimento. Já tinham fechado na cabeça deles a chapa majoritária e esqueceram que Heleno é popular, tem trabalho e tem história política em Sergipe. Hoje, nas pesquisas para o Senado, cresci mais de 10 pontos. Comecei com 7, 8 e 9 pontos e hoje tenho 17, 18, 19 e 20 pontos, a depender do cenário”.

 

Ponto de vista 3

Prosseguiu o pré-candidato ao Senado: “Então, não estou nada de mala pronta. Estou discutindo, esperando o tempo certo das coisas. Tudo vai se definir com a saída ou não do governador Jackson . Esse sim, acho que é o nome que tem uma vaga definida na chapa majoritária, que é candidato ao Senado. Ele e Belivaldo sim. Os outros têm de discutir.  Eu não vou aceitar ser tirado de uma chapa tendo chances reais de vitória, números melhores que outros. Isso ai já tá definido. Então, quando os aliados falam isso que está sentindo cheiro de saída de Heleno é porque estão, na verdade, raciocinando, dizendo:  Caramba, o cara tá forte, nós não vamos dá espaço para ele. Ele va i ter que sobreviver”.

 

Sukita cobra desculpas de JB

O novo presidente estadual do PHS, ex-prefeito Manoel Sukita, ainda não digeriu ter perdido o comando do Podemos no Estado e continua responsabilizando o governador Jackson Barreto por isso, uma vez que a presidência do Podemos está agora com o secretário Zezinho Sobral (Inclusão Social). Tanto é que ao ser questionado se o PHS apoiará Belivaldo Chagas para o governo respondeu: “Jackson vai ter que ser humilde, sei que é, e pedir desculpas pelo que fez para que possa analisar a possibilidade de apoio ao seu candidato. Foi violenta a forma como deixei o Podemos”. 

 

Grande tendência

Como a coluna já informou, Sukita caminha para apoiar o senador Eduardo Amorim (PSDB) ao governo, no caso do parlamentar confirmar que será candidato a governador. Já teve, inclusive, algumas conversas com o parlamentar.

 

Perillo em Sergipe 1

Esteve ontem em Aracaju fazendo campanha para presidente nacional do PSDB, o governador Marconi Perillo (GO). Na sede do partido em Sergipe se reuniu com os tucanos, o senador Eduardo Amorim; o ex-governador Albano Franco; e o ex-deputado federal José Carlos Machado.

 

Perillo em Sergipe 2

No encontro, Perillo, apoiado pelo ex-presidente Aécio Neves, defendeu chapa única para o diretório nacional do PSDB. Ele tem como adversário o senador Tasso Jereissati (CE), que não é simpático a Aécio e defende que o PSDB deixe o governo Michel Temer. A eleição dos tucanos ocorrerá durante Congresso Nacional, a ser realizado em São Paulo, no dia 9 de dezembro.

 

 

 

 Veja essa...

Da senadora Kátia Abreu (TO) ao ser expulsa do PMDB, a pedido do então ministro das malas de dinheiro Geddel Vieira, por infidelidade partidária por ter votado contra o impeachment da ex-presidente Dilma e projetos do governo Temer: “Geddel está preso e continua filiado sem responder a acusação ou processo ético”.

 

... e essa...

Kátia Abreu também alfinetou o presidente Temer, por atribuir a ele a palavra final para sua expulsão do PMDB. Disse: “Ele é de fato o presidente do partido e, segundo a PF, o chefe desta organização criminosa em que se transformou a cúpula do PMDB”.

 

 

CURTAS

 

Pirambú vai está em festa neste final de semana por conta da comemoração dos 54 anos de Emancipação Política do município. O prefeito Élio Martins (PSC), que pagou na quinta-feira o salário de novembro dos servidores, fez uma vasta programação neste sábado e domingo para celebrar a data. 

 

O povo de São Cristovão está em contagem regressiva para a realização do Festival de Artes, que acontecerá no próximo final de semana no município. “Nós estamos tanto felizes quanto orgulhosos por trazê-lo de volta! Estamos nos preparando para receber a todos que chegarão loucos pra viver três dias de arte, cultura, música, teatro e muito amor”, comemora o prefeito Marcos Santana (PMDB).

 

Na próxima quinta-feira deve entrar na pauta da Câmara Municipal de Tobias Barreto o projeto de lei ordinária nº 37/2017, onde o Poder Executivo pede autorização para empréstimo na ordem de R$ 45,9 milhões. É dado como garantia o Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

 

A Comissão de Assuntos Sociais do Senado (CAS) vai debater em audiência pública com professores e especialistas o bullying nas escolas. Um pedido com este objetivo foi aprovado pelo colegiado. O Senado já aprovou leis que buscam evitar agressões, insultos e intimidações entre os alunos e ajudar a proteger crianças e adolescentes.

 

Crédito de ICMS

 

O deputado federal Fábio Reis (PMDB) reagiu à informação de que o prefeito Valmir Monteiro (PSC-Lagarto) vai processar o governador por não repassar completamente recursos do ICMS para o município, na ordem de R$ 19,2 milhões. “O Governo já reconheceu, publicamente, essa diferença de ICMS repassado para os municípios e no dia 19 creditou um valor a mais no ICMS das Prefeituras”, afirmou.

Segundo Fábio, ele está intermediando uma reunião do governador com a direção da Federação dos Municípios de Sergipe (FAMES) para tratar desse assunto. “O prefeito de Lagarto se aproveita dessa situação para mudar o foco do fracasso administrativo da sua gestão. Na contramão do diálogo e buscando aparecer, o prefeito de Lagarto resolve buscar a Justiça, fazer estardalhaço e barulho por algo que a própria Federação está querendo uma solução de consenso”, critica, enfatizando que Valmir deveria se preocupar com os inúmeros problemas da sua gestão, como as obras paralisadas, o atraso de salários, a insatisfação dos seus eleitores que foram demitidos, e com os processos que correm contra