10 presos e dois mortos em ação contra o tráfico na Atalaia

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A operação resultou na prisão de 10 pessoas acusadas por tráfico. Foto: Divulgação/SSP
A operação resultou na prisão de 10 pessoas acusadas por tráfico. Foto: Divulgação/SSP

Foto: Divulgação/SSP
Foto: Divulgação/SSP

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 06/12/2017 às 06:26:00

Gabriel Damásio

 

A Polícia Civil deflagrou na manhã de ontem uma operação para prender um grupo acusado por crimes de tráfico de drogas, assaltos à mão armada e assassinatos em bairros da zona sul de Aracaju, como Atalaia, Aeroporto e Coroa do Meio. Ao todo, 60 policiais foram mobilizados para cumprir 11 mandados de prisão e de 11 de busca e apreensão expedidos pela Justiça. Durante as buscas, 10 investigados foram presos e outros dois morreram em tiroteios com as equipes policiais: Luis Carlos Reis Filho, 38 anos, apontado como líder da quadrilha; e Israel César Nogueira dos Santos, 34, acusado por um homicídio ocorrido em 25 de setembro deste ano na Atalaia.

Os policiais se concentraram em um local conhecido como ‘Vila do Cemitério’, situado nos fundos do Aeroporto Santa Maria. Segundo o Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), que investigou o grupo durante um ano, o local era conhecido como ‘shopping do tráfico’, por ser bastante frequentado por traficantes e usuários de drogas. “Ela é uma vila encravada ao lado de um cemitério, com um fundo onde as pessoas passaram a enterrar, vender e usar drogas. As pessoas passavam por uma área de bastante circulação, estacionavam seus veículos rapidamente e os nóias, pequenos vendedores ou soldados do tráfico, paravam para vender a droga. E os que não tinha veículo, eles entravam pela frente da vila e acessavam o fundo, onde estavam protegidos por um matagal que existia                “, explicou a delegada Mayra Moinhos, do Cope.

No local, os policiais uma grande quantidade de maconha e crack, três pistolas e uma escopeta. Boa parte dos envolvidos já tinha passagens pela polícia ou mandados de prisão em aberto. Durante as investigações, os policiais descobriram que Luis Carlos era o principal gestor do esquema e investia todo o dinheiro que ganhava com a venda de drogas em imóveis. De acordo com a delegada, 32 imóveis registrados com o nome dele foram encontrados junto à Energisa e outros bancos de dados. A polícia estuda pedir o bloqueio destes bens.

Ainda conforme Mayra, outros membros da quadrilha continuam sendo investigados, mas a operação serviu para prender os que considerados mais perigosos ou diretamente envolvidos no tráfico no local, além de desarticular o esquema. “Temos um saldo positivo com a prisão das pessoas que foram tiradas daquele local que proporcionava tanto transtorno à população. O objetivo desta investigação foi fazer um filtro e direcionar os mandados de prisão para aquelas pessoas efetivamente associadas ao tráfico de drogas, para que déssemos uma resposta à altura”, assegurou ela. Todos os presos devem ser indiciados por crimes como homicídio, tráfico e formação de organização criminosa.


  • OS PRESOS DA OPERAÇÃO 

Kadine Prata de Souza, 30 anos

Saulo de Jesus Reis, 35 anos

Diogo da Conceição Santos, 29 anos

Afonso Santos Barros, 50 anos

Paulo Vinicius Silva Santos, o "Babu", 27 anos

Tiago Barros Santana, o "Titi',  33 anos

Carlos Felipe Oliveira Rios, 30 anos

Ingrid Kelli Brito dos Santos, 26 anos

Adriana Ferreira do Carmo, o "Vudu", 42 anos

Elvis Alves da Cruz, o "Ninho", 38 anos


  •  Mortos em confronto

Luis Carlos Reis Filho, 38 anos

Israel César Nogueira dos Santos, 34 anos