De volta para casa

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 19/12/2017 às 06:19:00

Mendonça Prado iniciou a sua carreira política pelo então PFL, hoje DEM, sempre ao lado do ex-governador João Alves Filho e da senadora Maria do Carmo Alves, de quem foi genro. Foi vereador de Aracaju e deputado federal pela legenda.

Em 2014, Mendonça rompeu com João e Maria após eles terem decidido apoiar Eduardo Amorim (PSDB) para o governo do Estado. Ele tinha avisado que se isso ocorresse ele romperia.

Com o rompimento político Mendonça decidiu apoiar Jackson Barreto para o governo. Não tendo sido reeleito deputado federal, fez parte da equipe de governo de JB como secretário da Segurança Pública.

Permaneceu aliado de Jackson até este ano, quando rompeu após ter sido afastado da presidência da Emsurb por decisão judicial e não ter reassumido o cargo com a decisão judicial nesse sentido, por falta de interesse do prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB). 

Afastado do novo grupo político, Prado foi parar no PPS, onde teve seu nome lançado como pré-candidato a governador pela legenda. Pelo fato do PPS ter pouco tempo de TV e da necessidade de aliança com um partido com bom tempo de televisão no programa eleitoral, foi iniciado uma conversa com o DEM por intermédio do ex-deputado federal João Fontes, pré-candidato ao Senado pelo partido.

A conversa entre o PPS e o DEM, sob a presidência de Ana Alves, aconteceu. Ficou praticamente tudo encaminhado para uma aliança entre os dois partidos em 2018, em Sergipe, o que daria a Mendonça Prado um bom tempo de televisão.

Só que a prisão de Ana Alves na Operação Caça-Fantasmas, pelos crimes de peculato, formação de organização criminosa e obstrução de investigação, fez com que ela renunciasse à presidência do DEM em Sergipe.

Com isso, o comando do DEM em Sergipe estava para ser entregue ao deputado federal Laércio Oliveira (SD). A senadora Maria do Carmo Alves (DEM) agiu e conseguiu fazer com que o seu ex-genro Mendonça Prado venha a assumir o comando do partido em Sergipe.

Com isso, como um filho pródigo, Prado volta para casa e vai disputar o governo do Estado não mais pelo PPS, mas pelo DEM, que sempre foi o seu partido, a sua cara.

E com o problema judicial de Ana Alves, que tinha pretensões de assumir o legado político da família Alves, querendo até ser candidata a deputada federal em 2018, Mendonça, mesmo não sendo mais da família, mas sendo a cara dos Alves, assume o legado político de João e Maria.

.................................................................................................................

 

A conversa

O entendimento político para o ex-deputado federal Mendonça Prado assumir o comando do DEM em Sergipe ocorreu na sexta-feira passada, após uma conversa com a senadora Maria do Carmo Alves (DEM), em Aracaju.  Estavam presentes Mendonça, Maria e o ex-deputado federal João Fontes.

 

Se explicando

Ontem de manhã Mendonça comunicou ao PPS sua decisão de assumir o comando do DEM em Sergipe. Concederá entrevista a imprensa, na sede do Democratas, para falar do assunto.

 

Nada satisfeito

O presidente do PPS, Clóvis Silveira, não gostou muito da novidade. Não garantiu que o PPS estará com o DEM em 2018 e afirmou que serão iniciados os entendimentos políticos para o pleito do ano que vem.

 

Nunca saiu do DEM

Na realidade, Mendonça Prado não tinha se desfiliado do DEM. Foi só performance a festa de filiação do PPS, em que teria assinado ficha de filiação. Ficou acordado que ele só deixaria o DEM para ingressar no PPS em março de 2018, com a abertura da janela de filiação.

 

Otimista

Mendonça está confiante que pode assumir mandato de deputado federal no próximo ano, já em fevereiro, na vaga do deputado federal Adelson Barreto (PR). Por isso, não tinha se desfiliado ainda do DEM, seu único partido em sua trajetória política.

 

Expectativa de julgamento

Esta marcado para fevereiro o julgamento no Supremo Tribunal Federal dos deputados federais Adelson Barreto e João Daniel (PT) relacionado às subvenções da Assembleia Legislativa, quando eram deputados estaduais. O relator, o ministro Edson Fachin, que também é relator da Lava Jato, pede a condenação dos dois parlamentares de Sergipe.  Mendonça é suplente de Adelson Barreto e o ex-deputado federal Bosco Costa é o suplente de João Daniel.

 

Não abre mão da candidatura 1

Como Mendonça, o ex-deputado federal João Fontes, pré-candidato ao Senado pelo PPS, também não tem ainda registro de filiação no PPS. Ele disse à coluna que acompanha Mendonça e mantém sua disposição em ser candidato ao Senado na chapa encabeçada por ele.

 

 

Não abre mão da candidatura 2

“Entrei no PPS convidado por Mendonça. Foi um ato simbólico de filiação, pois só em março seria dado entrada no TRE na nossa filiação. Se o partido não apoiar Mendonça e não tiver candidato ao Senado, me filiarei a outro partido. Já recebi convite de algumas legendas. Serei candidato a senador de qualquer jeito em 2018. Esperarei o tempo para decidir”, afirmou Fontes.

 

Não abre mão da candidatura 3

Segundo João Fontes, ele já disse essa sua posição ao presidente nacional do PPS, senador Roberto Freire. Revela que conversaram muito no sábado por telefone e que Freire entendeu a situação.

 

Circulação ampliada

A ex-presidente do DEM, jornalista Ana Alves, que está em liberdade provisória com uso de tornozeleira eletrônica, conseguiu na Justiça a ampliação da sua área de circulação em Aracaju. Agora ela pode andar por toda a capital sergipana e não apenas no bairro em que reside, que é na Farolândia.     

 

Registro

A jornalista, que é filha do ex-governador João Alves e da senadora Maria do Carmo, foi presa no dia 1º de dezembro na sede do Ministério Público Estadual (MPE) por promotores de justiça do Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaecco) e da equipe do Departamento de Crimes contra a Ordem Tributária e Administração Pública (Deotap).  Solta em 8 de dezembro, ela é acusada de crimes de peculato, formação de organização criminosa e obstrução de investigação na Operação Fantasma, que investiga cargos comissionados fantasmas na gestão do ex-prefeito JAF.

 

Convenção do PMDB

O governador Jackson Barreto (PMDB) viajou ontem para Brasília. Participa hoje da Convenção Nacional do PMDB, que tem na pauta o partido voltar a se chamar Movimento Democrático (MDB); adequação do Estatuto partidário à legislação eleitoral; inicio do processo de discussão sobre o novo Programa Partidário; e adoção e implantação de nova política de integridade e governança no partido.

 

Veja essa...

Do ex-deputado federal João Fontes sobre o fato de Mendonça Prado passar a comandar o DEM em Sergipe: “Jackson Barreto articulou a ida de Laércio Oliveira para o DEM. Seu sócio, Fernando Carvalho, assumiria a presidência do DEM até março, quando abrirá a janela partidária e Laércio iria para o DEM. Seria um suicídio perder o partido para Jackson,pois não tínhamos como ser candidato com 28 segundos de televisão. Vencemos essa batalha. Abortamos a ida de Laércio para o DEM”.

 

CURTAS

 

O prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB) se confraternizará com a imprensa nessa quarta-feira, às 7h30, durante café da manhã em um hotel da orla.

 

Durante confraternização de fim de ano, realizada no domingo, o vice-presidente nacional do PT, Márcio Macêdo, confirmou sua pré-candidatura a deputado federal em 2018.

 

 A confraternização contou com a presença do líder do PT na Câmara, deputado federal Carlos Zaratinni, e lideranças locais. Na oportunidade, foi exibido um vídeo do ex-presidente Lula declarando apoio a Márcio, que foi o coordenador  das suas caravanas pelo país.

 

 

Chegou a declarar Lula: “Estou torcendo para que ele seja nosso deputado federal. Se puder fazer todo esforço que fiz e ajuda que forneci a Déda para que fosse deputado federal, farei o mesmo por Márcio. Quero dizer que Márcio é a maior surpresa da política de Sergipe depois de Marcelo Déda”.

 

 Na manhã de ontem o senador Eduardo Amorim (PSDB) esteve reunido com a diretoria do Sindicato dos Radialistas de Sergipe para tratar do PLC 153/17, que acrescenta dispositivos à Lei 6.615, de 1978, para dispor sobre a identidade profissional de Radialista.

 

O projeto, de autoria do deputado federal André Moura (PSC), já foi aprovado na Câmara dos Deputados e, atualmente, está na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado Federal, sob a relatoria do senador Jorge Viana.

 

 

 

Foto Legenda 

O vice-prefeito de Boquim, Chicão Almeida (PT), transita com grande desenvoltura com o líder do governo no Congresso, André Moura (PSC), e o senador Eduardo Amorim (PSDB). Por isso, já tem pessoas indagando no município se ele continuará filiado ao PT a partir de março, quando será aberta a janela partidária.