Governador pede apoio da Fies para aprovação de crédito junto ao governo federal

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O governador Jackson Barreto cumprimenta o presidente da Fies, Eduardo Prado. Foto: Agência Sergipe
O governador Jackson Barreto cumprimenta o presidente da Fies, Eduardo Prado. Foto: Agência Sergipe

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 22/12/2017 às 05:54:00

O governador Jackson Barreto e o vice-governador Belivaldo Chagas participaram, mais uma vez, do tradicional almoço de fim de ano promovido pela Federação das Indústrias do Estado de Sergipe (Fies). Em seu discurso, Jackson relatou o esforço da sua gestão para liberar a operação de crédito de R$ 560 milhões com a Caixa Econômica Federal, recursos que serão destinados à Infraestrutura e Saneamento.

“Aproveito esse momento de congraçamento de final de ano para dirigir algumas palavras sobre questões de grande relevância para o desenvolvimento de Sergipe. Retornei, no dia de ontem, de Brasília onde fui fazer gestões para liberar, com a urgência necessária, a operação de crédito de R$ 560 milhões com a Caixa Econômica Federal. O governo de Sergipe atendeu todas as exigências legais para liberar essa operação de crédito. A autorização para contratação da operação de crédito foi dada pela Secretaria do Tesouro Nacional, não restando absolutamente nada para a assinatura do contrato com a Caixa. Porém, o Ministério da Fazenda vem interpondo dificuldades para a liberação dos recursos, retardando-a para o próximo ano. Os recursos dessa operação de crédito são fundamentais para recuperarmos as estradas estaduais, pelas quais transitam a nossa produção agrícola e industrial. Postergar a liberação desses recursos é um atentado aos legítimos interesses do Estado de Sergipe. A aprovação foi sinalizada apenas para a segunda quinzena de fevereiro, o que conflita com a realidade do nosso estado, pois, em março, o inverno já se inicia em Sergipe e fica muito complicado recuperar as estradas diante das chuvas”.

Jackson reforçou seu apelo aos empresários sergipanos e explicou que a necessidade da recuperação das estradas sergipanas interfere na economia do estado e, especialmente, na vida dos sergipanos. “Faço um apelo à Federação das Indústrias do Estado de Sergipe para que some esforços com o governo do Estado para impedir que se concretize esse adiamento nefasto aos mais legítimos interesses de Sergipe, de sua população em geral e do empresariado em particular. Essa é uma luta de todos os sergipanos. Não podemos concordar com o adiamento dos investimentos para recuperação das principais estradas que cortam o estado de Sergipe, essenciais para o trânsito de pessoas, para escoar a nossa crescente produção agrícola e para manter a competitividade de nossa indústria no cenário nacional”.

Segundo o governador os recursos desta operação de crédito serão aplicados na recuperação da rodovia de Itabaiana até Moita Bonita, passando por Campo do Brito, Lagarto, Riachão do Dantas, Tobias Barreto, Poço Verde, Simão Dias, Pinhão. “Essa rodovia passará a ser chamada de Rota do Agreste. Também iremos recuperar a rodovia Itabaianinha-Umbaúba e a estrada Graccho Cardoso-Aquidabã, chegando até a BR-101. No Sertão, iremos recuperar o trevo de Monte Alegre, na direção da Lagoa do Rancho, Lagoa da Volta. O Baixo São Francisco e o Médio Sertão também serão contemplados. É um trabalho imenso de recuperação de rodovias”, enumerou Jackson Barreto.

Outro ponto destacado pelo governador diz respeito à queda do Fundo de Participação dos Estados (FPE) em 2017, quando comparado ao ano de 2016. “Apesar dos nossos esforços, o que faz com que o governo esteja atuante, o FPE vem causando graves desequilíbrios na nossa receita. O Estado, com relação a 2016, perdeu cerca de R$ 130 milhões do FPE, o que era necessário para fechar nossas contas. Mas vamos continuar caminhando, conversando e buscando, de forma conjunta, ajudar Sergipe”.

Para Jackson, principalmente em momentos de maiores dificuldades, a união de esforços entre os setores público e privado surge como melhor alternativa para superação da crise. “É muito importante os setores privado e público caminharem juntos, principalmente diante de um momento de crise. A gente só tem condições de superar as dificuldades buscando soluções conjuntas. A parceria público-privada traz benefícios para a sociedade, para economia do país e para o desenvolvimento do estado”.

 

Desafios - De acordo com o presidente da Fies, Eduardo Prado de Oliveira, as dificuldades enfrentadas no país e no estado impõem desafios nunca presenciados por outros governos antes.  “O ano foi difícil e os bons governantes passam por uma prova de fogo. Governar com dificuldade requer muita competência do governante, é o caso de Jackson Barreto. Sabemos o quanto o governador tem feito para enfrentar essas dificuldades, porque governar um estado há anos atrás era fácil, mas na situação de hoje é muito difícil”.

Eduardo Prado também ressaltou que o diálogo constante entre o setor público e o setor privado é essencial para superar as dificuldades. “No governo Jackson Barreto esse entrosamento tem sido fundamental e de extrema importância. Jackson, pensando em Sergipe e na economia, mantem um diálogo permanente com todos os empresários, seja do setor primeiro, secundário ou terciário”.

Na ocasião o presidente da Fies, entregou ao governador o livro ‘Serviço de Apoio ao Investidor- Guia Básico do Estado de Sergipe’. A publicação, uma iniciativa da Fies, tem o objetivo de apresentar um resumo do contexto econômico do estado de Sergipe, dispondo de informações básicas que balizam decisões referentes às ações de apoio ao investidor estrangeiro. O guia apresenta as principais práticas relativas a atração de investimentos internacionais tendo como público-alvo investidores interessados em ingressar na economia Sergipana. O livro foi elaborado em português e inglês.