Encerrado ciclo de entregas de novos cartões e senhas do Mão Amiga Laranja

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A distribuição dos cartões foi encerrada ontem. Foto: Divulgação
A distribuição dos cartões foi encerrada ontem. Foto: Divulgação

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 23/12/2017 às 06:25:00

Nesta sexta-feira, a secretaria de Estado da Inclusão Social (Seidh) encerrou o ciclo de entregas dos cartões e novas senhas dos beneficiários do Programa Mão Amiga Laranja. Em duas semanas, foram visitados os 14 municípios da citricultura, nos quais o secretário Zezinho Sobral dialogou com os trabalhadores da colheita da laranja, acompanhado pela equipe do departamento de Inclusão Produtiva da Seidh (DIP) e parceiros da Emdagro, Banese, dos Sindicatos dos Trabalhadores Rurais e secretarias municipais de Assistência Social.

Nesta edição, o programa de transferência de renda [realizado pelo Governo do Estado para conceder um auxílio de R$ 760 aos trabalhadores rurais no período da entressafra da laranja] atenderá 4.441 beneficiários dos municípios de Arauá, Estância, Pedrinhas, Itaporanga, Indiaroba, Umbaúba, Riachão do Dantas, Salgado, Boquim, Pedrinhas e Lagarto; além de Tomar do Geru, Cristinápolis e Santa Luzia do Itanhi – visitados nesta sexta-feira.

Em Geru, 236 trabalhadores da colheita da laranja recebem o recurso, sendo 60 deles novos beneficiários. Já em Cristinápolis, são 280 os trabalhadores da colheita da laranja inscritos no programa - destes, 103 participam pela primeira vez. Em santa Luzia, por sua vez, há 261 inscritos, sendo 52 deles estreantes no programa. Cerca de R$ 150 mil serão investidos nesses três municípios só na primeira parcela. Ao final da quarta parcela, o investimento total desta edição do programa terá sido de aproximadamente R$ 3,4 milhões – recursos oriundos do Fundo Estadual de Combate à Pobreza – Funcep.

Durante os encontros, foram passadas orientações diversas para os beneficiários do programa, entre elas, informações sobre saúde e o cuidado na aplicação de agrotóxicos, bem como a necessidade de uso de equipamentos de proteção individual - EPIs. A grande novidade desta edição foi o anúncio da distribuição de bolsas colheitadeiras, que os próprios beneficiários pediram na última edição do programa. “Nós ouvimos o pedido deles, procuramos muito e encontramos uma fábrica em São Paulo. Imediatamente o Banese topou patrocinar e, na rodada dos seminários, creio que já estaremos fazendo a distribuição do equipamento para auxiliar a todos os beneficiários do programa na colheita da laranja”, disse o secretário Zezinho Sobral.

Dona Girlene da Silva é moradora do povoado Brejinho, em Tomar do Geru. Ela, que é beneficiária do programa Mão Amiga desde o início, em 2009, ficou feliz da vida quando soube da novidade. “Ave Maria, é boa demais essa sacola. Ajuda muito a gente na luta, na colheita. Eu quero que chegue logo o seminário pra receber a minha”, disse. Ela conta que, para ela, o benefício recebido do Mão Amiga é uma ajuda e tanto. “Eu não sei como ia ser se a gente não recebesse esse dinheirinho. Eu mesma tenho problema de pressão, então já me ajuda a comprar meus remédios quando não tem laranja pra colher”, declarou.