Comerciantes otimistas com as vendas

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 24/12/2017 às 00:08:00

Milton Alves Júnior

 

Com o otimismo elevado, lojistas aracajuanos estarão de portas abertas neste domingo, véspera de Natal, com a proposta de conquistar a clientela que deixou as tradicionais compras natalinas para a última hora. Conforme previsão da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL), se comparado ao mesmo período do ano passado, a expectativa é que o aumento nas vendas seja de 6%. Para que essa meta seja batida, ou mesmo ultrapassada - como já ocorreu em outras datas comemorativas neste ano de 2017, o setor empresarial abre as portas às 7h e segue atendendo os consumidores até as 17h. Os setores de vestuários, calçados, brinquedos, perfumaria e eletro-eletrônicos lideram a preferência dos clientes.

Para garantir o aquecimento econômico da capital sergipana e demais cidades da Região Metropolitana, ônibus do transporte coletivo estarão trabalhando em escala especial, bem como a Polícia Militar do Estado de Sergipe que segue intensificando as rondas nas intermediações dos principais polos comerciais da Grande Aracaju. Essas medidas, segundo Breno Barreto, presidente da CDL, contribui diretamente para que os consumidores sintam-se confortáveis a se dirigir ao centro da cidade, por exemplo, e adquira produtos para presentear amigos ou familiares, ou mesmo para consumo próprio. Ele garante qualidade, preço acessível e as melhores condições para pagamento.

"Temos uma imensidão de opções de presentes que variam entre todos os setores de produção. Evidentemente muitos produtos já foram comercializados ao longo dos últimos 15 dias, mas o comércio em geral segue com o estoque preparado para quem deixou para hoje as compras natalinas. Podem ir que as condições de pagamento estão cada vez melhores e tem produto que cabem no bolso de todo mundo", disse. Um levantamento realizado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), mostra que 2017 tende a fechar o ciclo de compras no próximo dia 31 como o ano em que o comércio mais lucrou nos últimos cinco anos.

Análises estatísticos indicam que o valor médio com cada item adquirido será de R$ 103,83, mas considerando a compra de todos os presentes, o brasileiro deve desembolsar, em média, R$ 461,91. Nas classes A e B, o valor desembolsado no total de presentes sobe para R$ 630,96 e cai para R$ 414,25 entre as pessoas da classe C. Ressalta-se que estes números tratam de valores médios, que englobam todos os consumidores neste período. No quesito aquisição, o pagamento à vista será o meio mais utilizado pela maioria dos entrevistados ouvidos (52%), seja em dinheiro (34%) ou no cartão de débito (19%).

Os que vão se utilizar de alguma modalidade de crédito somam 43% dos compradores, sendo que o cartão de crédito parcelado lidera, com 31% de menções, seguido do cartão de crédito em parcela única (9%) e do crediário (2%). "Estamos trabalhando em um período de crise financeira ainda presente no Brasil, mas que aos poucos, ao menos neste ano de 2017, percebemos ligeira melhoria. A meta é fechar esse ano melhor que os outros e conseguir já em 2018 impulsionar de vez as vendas que vinham sendo sofridas nos últimos anos", declarou Breno Barreto que concluiu convidando: "mesmo que faltando algumas horas para a ceia de Natal, não deixem de ir às lojas do centro, shopping e demais polos comerciais. Seguimos à disposição".