Desfazendo boatos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 27/12/2017 às 06:35:00

Com dificuldades para liberar recursos para Sergipe nesse momento de crise econômica do país, o governador Jackson Barreto (PMDB) bateu à porta do deputado federal André Moura (PSC) no início de 2017 tão logo se tornou líder do governo no Congresso. JB foi pleitear a liberação de recursos para elaboração do projeto do Canal Xingó, a retomada das obras de duplicação da BR – 101 e do aeroporto de Aracaju, o que acabou viabilizando.

Eleito prefeito de Aracaju e encontrando o caixa da Prefeitura com um déficit de R$ 540 milhões, a cidade esburacada, tomada pelo lixo e dois salários atrasados do servidor público, Edvaldo Nogueira (PCdoB) também não pensou duas vezes em bater à porta do gabinete de André para pedir ajuda na liberação de recursos para a capital.  

Com a ajuda de André, o prefeito conseguiu a liberação de R$ 62 milhões de emenda de bancada para obras de infraestrutura em Aracaju. Depois conseguiu liberar mais R$ 11 milhões e no último sábado assinou com a Caixa Econômica empréstimo de R$ 50 milhões para contrapartida em obras, cujos projetos estavam prontos quando ainda era gestor e o seu sucessor João Alves Filho (DEM) não deu andamento.

Edvaldo sempre vem reconhecendo o desempenho de André Moura na liberação dos recursos e no último sábado não foi diferente. A liberação de mais esses recursos e as fotos tiradas com os dois rindo muito e se abraçando, publicada inclusive aqui no Jornal do Dia, deu muito o que falar nas redes sociais e rodas políticas.

Não faltou quem não especulasse que André e Edvaldo já tinham fechado parceria para 2018, quando existe uma possibilidade do líder disputar o governo do Estado.

Em conversa ontem com a coluna, o prefeito negou qualquer entendimento político com o deputado. “Nós nunca discutimos política e muito menos as eleições 2018. Não estamos do mesmo lado, estamos dando uma demonstração de que, mesmo em lados opostos, pensamos no bem da cidade”.

Ressalta que os recursos estão saindo para Aracaju com a interferência de André e não pode esconder isso da sociedade. “Vou sempre agradecer a quem ajudar a cidade, não vou esconder. Nunca discuti com André as eleições, questões partidárias. Ele ocupa posição importante no governo federal, tem liberado recursos, fui buscar e tive boa receptividade. É raro na política”, afirmou.

Reafirmou o prefeito: “Nós nunca discutimos política hora nenhuma. Existe uma parceria administrativa. André tem ajudado Aracaju e vou reconhecer isso publicamente. Já disse, meu candidato é Belivaldo [Chagas]. Só declarou isso antes de mim Jackson Barreto. Afirmei que votava em Belivaldo ainda na reunião na casa de Luiz Mitidieri”.

Em sendo verdade, como parece, André e Edvaldo dão show de civilidade, de modernidade. Mesmo sendo adversários, Edvaldo mostrou humildade em procurá-lo e André demonstrou que não é aquele político do quanto pior, melhor.

Bom para Aracaju e bom para Sergipe que André Moura, Edvaldo Nogueira e Jackson Barreto estão pensando e agindo dessa forma. Quem ganha é o povo de Sergipe.

.......................................................................................................................

 

No tempo certo 1

Segundo o prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira (PCdoB), até junho de 2018 ele não vai se envolver no processo eleitoral. “Vou participar no momento certo e já com as candidaturas definidas. Estarei no lado que sempre estive. Vou fazer campanha e está nas ruas no momento certo”, garante.

 

No tempo certo 2

Ressaltou: “Não estou discutindo nem pensando em eleições. Encontrei a prefeitura numa bagaceira grande, com uma dívida de R$ 530 milhões a curto prazo e de R$ 300 milhões a médio prazo. Paguei 14 salários em 12 meses e ainda vou pagar o salário de dezembro. Já normalizei 80% dos medicamentos nos postos de saúde e deixei a cidade limpa. Ainda tem muito o que fazer”.

 

Canteiro de obras

Ressalta o prefeito que entre janeiro e março vai entregar mais de R$ 300 milhões em obras na cidade. “Aracaju vai virar um canteiro de obras. Nenhum prefeito de capital vai fazer tanto investimento em obras como eu. Grande parte dos recursos deixei pronto os projetos em 2012 na Caixa Econômica e o meu sucessor não fez. Tem quase R$ 180 milhões na Caixa. Vou recuperar. Já consegui agora os R$ 50 milhões para a contrapartida, para fazer com que as obras paradas andem”.

 

Prejudicando a saúde

Devido à contrariedade com relação ao condicionamento da liberação do financiamento de R$ 560 milhões do Finisa - para obras de recuperação das rodovias estaduais - à votação da reforma da previdência, prevista para somente ocorrer em 19 de fevereiro, o governador Jackson Barreto (PMDB) teve um pequeno derrame no olho esquerdo no final de semana. Está em casa de repouso por três dias, por ordem médica.

 

Laudo da PF

Após três anos saiu laudo pericial (216/2017) da Polícia Federal de Sergipe dizendo que é falsa a assinatura do ex-prefeito Manoel Sukita em um termo de renúncia de candidatura a deputado estadual produzido pelo PSB em 2014, quando tinha acabado de ser solto do presídio onde permaneceu por um tempo pela acusação de crime de responsabilidade e lavagem de dinheiro público. O documento foi assinado pelo perito criminal federal Evandro José de Alencar Paton.

 

Reação de Sukita 1

De Sukita sobre o laudo: “Graças a Deus mesmo três anos após o ocorrido a verdade venceu, uma vez que agora temos um documento da Polícia Federal que comprova que a assinatura que estava no documento foi falsificada e serviu para fundamentar uma renúncia que nunca ocorreu. Até hoje estou fora da Assembleia, injustamente, devido à perversidade e violência cometidas não somente a mim, mas a 33.179 eleitores que através do seu voto assinaram o meu diploma de deputado para representá-los e defendê-los no Parlamento Estadual”.

 

Reação de Sukita 2

Prossegue Sukita: “Com essa prova, espero o restabelecimento da verdade e do meu mandato, e o ressarcimento de todos os prejuízos causados por eles. Essa falsificação me deixou três anos injustiçado e humilhado, sem poder exercer o mandato que o povo me confiou”.

 

A defesa jurídica

O advogado de defesa de Sukita, Emanuel Cacho, disse que com o laudo irá buscar reverter os processos em que ele foi “injustamente condenado”.  Revela que o “laudo pericial é uma prova científica que esclarece, definitivamente, toda a situação, posição que sempre foi adotada e perseguida pela defesa na Justiça”.

 

Registro

Em 2014, Sukita foi preso e ao ser solto o PSB, partido que era filiado à época, fez ele assinar um termo de renúncia de candidatura a deputado estadual estabelecendo que caso voltasse a ser preso novamente desistiria da candidatura. Como isso ocorreu, o partido protocolou no TRE o termo de renúncia, mas, mesmo assim, Sukita seguiu em frente na disputa por uma cadeira na Assembleia Legislativa após ser solto novamente, obtendo os votos suficientes para ser eleito.

 

Sem comentário

Ao ser questionado sobre o laudo da Polícia Federal, o presidente estadual do PSB, deputado federal Valadares Filho, disse à coluna que não tem o que dizer, pois o laudo da PF não faz nenhuma acusação ao seu partido.

 

Duas testemunhas

Valadares Filho afirma apenas que o termo de renúncia da disputa de candidatura a deputado estadual de Sukita foi assinado pelo próprio Sukita na presença de duas testemunhas: o então presidente do PSB na época, Paulo Viana, e o advogado Carlos Felizola. 

 

Sucessão estadual 1

Sobre as eleições 2018, Valadares Filho afirma que ainda é cedo para definição da chapa majoritária da oposição. “As discussões devem ocorrer, mas o PSB só vai definir e anunciar publicamente sua posição em abril”, garante.

 

Sucessão estadual 2

Do deputado ao ser questionado se pode ser vice de Eduardo Amorim, já que circularam juntos no final de semana entregando equipamentos a pequenos agricultores das três regiões de Sergipe:  “Minha candidatura natural é da reeleição, mas defendo que os nomes da oposição estejam à disposição do agrupamento para o fortalecimento da chapa dentro de entendimentos, de conversas. Meu nome tem se destacado, inclusive, para o governo do estado. Como pesquisa é o reflexo do momento defendo, prioritariamente, a unidade da oposição e o sentimento da população”.

 

Sucessão estadual 3

Enfatiza que os nomes têm de está à disposição para o melhor da formação da chapa. “Não pode ser projeto pessoal, mas ampla discussão para construir a melhor chapa, com respaldo da sociedade para vencer o pleito”. 

 

Veja essa...

Os vereadores de Nossa Senhora do Socorro,Vagnerrogeris Lima (PSC) e João Mochila (PHS), trocaram farpas pelas redes sociais. Tudo porque Mochila disse que por ter “negociado” com o prefeito Padre Inaldo (PCdoB) o Vagnerrogeris não iria comparecer a votação ontem na Câmara Municipal do projeto de lei pedindo empréstimo de R$ 55 milhões a Caixa Econômica Federal para contrapartida em obras no município.

 

 

 

...e essa ...

Vagnerrogeris, que compareceu a votação e se absteve de votar, mandou o colega vereador lhe respeitar, procurar o seu lugar. Ainda o chamou de analfabeto de pai e mãe, que não tem um projeto, que é inútil, incompetente e que só vivia fazendo fofocas.  O empréstimo de R$ 55 milhões foi aprovado por 16 votos a favor, com uma emenda aprovada de autoria do Vagnerrogeris estabelecendo que qualquer mudança nas obras indicadas, o projeto tinha que voltar a Câmara para análise e autorização.

 

 

 

CURTAS

 

O senador Valadares (PSB) continua em sua residência em Aracaju se recuperando de uma pequena cirurgia por conta de um pequeno inchamento na gengiva e se tratando do Fogo Selvagem, que causa dores no seu lado direito. Somente em janeiro fará o procedimento cirúrgico de hérnia.

 

“Em fevereiro o senador Valadares volta à ativa e pronto para a batalha”, afirma o filho, o deputado federal Valadares Filho.

 

No início da noite de ontem o PSB saiu com nota pública sobre as declarações de Sukita sobre o laudo da Polícia Federal. Diz a nota que estranha a as declarações dele por ter impetrado mandado de segurança em agosto deste ano afirmando que “somente assinou o termo de renúncia porque teria sido obrigado por dirigentes do partido”.

 

Ressalta a nota que o próprio Sukita afirma taxativamente nos autos do processo que assinou o documento coagido.  “Sendo assim, só nos resta fazer a seguinte pergunta: será que Sukita falsificou a sua própria assinatura?”.

 

 

 

Foto legenda 

 

O PRB, partido da base do governador Jackson Barreto, ainda não fez reunião com as lideranças políticas para referendar o nome de Belivaldo Chagas como pré-candidato a governador em 2018. Mas em todos os eventos religiosos organizados pelas lideranças do partido em Sergipe Belivaldo é convidado a participar.  

 

No final de semana, ele participou do Projeto “Sergipe no Altar – Natal Solidário”, com a presença do cantor gospel Anderson Freire, realizado em Estância e Aracaju. Estava ao lado do presidente do PRB, deputado federal Jony Marco; do pré-candidato ao Senado, ex-deputado federal Heleno Silva; e do ex-deputado estadual Mardoqueu Bodano. O governador Jackson Barreto (PMDB) prestigiou o evento na capital, no domingo, 24.