Agente de saúde é presa acusada de facilitar entrada de celular em presídio

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 28/12/2017 às 20:52:00

A Secretaria Estadual de Justiça (Sejuc) confirmou ontem a prisão de três envolvidos com duas tentativas de introduzir objetos ilegais em presídios de Sergipe. No Complexo Penitenciário Manoel Carvalho Neto (Copemcan), em São Cristóvão (Grande Aracaju), os agentes prenderam a agente de saúde Gildete Cardoso Santos, lotada na própria unidade, e a visitante Gilvânia de Lima Santos, companheira de um detento. Elas foram flagradas nesta quarta-feira com dois aparelhos celulares dentro da unidade. Já no Presidio Regional Senador Leite Neto (Preslen) em Nossa Senhora da Glória (Sertão), dois homens foram vistos jogando garrafas de cachaça para dentro do presídio e um deles foi capturado na manhã de ontem.

O primeiro caso foi investigado em alguns dias pelos agentes do Departamento do Sistema Prisional (Desipe), a partir de uma denúncia anônima. Segundo a Sejuc, a agente teria facilitado a entrada dos telefones que seriam entregues ao companheiro de Gilvânia, o interno João Santos de Oliveira, preso no complexo há seis meses. A visitante contou, em depoimento, que ela se dirigia ao Copemcan todas as quartas-feiras e aguardava Gildete no estacionamento externo do presídio. Ali, uma mochila era entregue à agente, que tinha acesso livre ao presídio. Quando Gilvânia passava pela revista dos agentes, nada era encontrado e ela se dirigia até a sala de Gildete, onde pegava a mochila de volta e ali recolhia telefones celulares, remédios e alimentos.

O material foi apreendido e as duas acusadas foram levadas para o Complexo de Operações Policiais Especiais (Cope), que registrou o caso. Gilvânia e Gildete devem ser encaminhadas para o Presídio Feminino (Prefem).

 

Cachaça – Já no caso de Glória, agentes e guardas prisionais lotados no Preslen detectaram, através do monitoramento e da guarita o momento em que dois homens se preparavam para arremessar cerca de oito litros de cachaça para dentro da unidade. Houve perseguição em de acordo com o diretor do Preslen, João Marcos de Souza, apenas um foi capturado e encaminhado à Delegacia Regional do município. “O segundo rapaz fugiu para um destino ignorado, já o capturado estava sem identificação e foi encaminhado para a delegacia onde serão realizados os procedimentos necessários”, explica.

Ainda segundo João Marcos, mesmo não tendo êxito na tentativa de entrega dos materiais ilícitos, será aberto um procedimento administrativo para apurar a quem seria destinado o produto.