Homem acusado por três assassinatos é preso. Casos têm relações com drogas

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Camisa e arma que seriam do acusado pelo crime do Uber. Foto: Divulgação
Camisa e arma que seriam do acusado pelo crime do Uber. Foto: Divulgação

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 04/01/2018 às 06:00:00

Uma ação conjunta do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) com o Grupo de Ações Táticas do Interior (Gati) resultou na prisão de José Arlindo Araújo, apontado como autor de três assassinatos ocorridos em Aracaju entre setembro e novembro do ano passado. Ele foi preso no último sábado, durante uma operação realizada por policiais das duas unidades no povoado Mussuca, em Laranjeiras (Vale do Cotinguiba). Os detalhes da investigação foram revelados ontem pelo delegado KássioKelinton Viana, do DHPP, o qual confirmou que Arlindo confessou sua participação nos três homicídios.

Um dos casos investigados foi o de Vinícius Ferreira Costa, morto a tiros em 19 de outubro dentro de um carro do sistema Uber, na Avenida Dom Quirino, bairro Inácio Barbosa (zona sul). De acordo com Kássio, as primeiras informações deste crime apontavam para um suspeito que já era investigado em outro crime contra a mesma vítima. “Recebemos a informação de que a vítima (Vinícius) já tinha sofrido uma tentativa de homicídio em Japaratuba no mês de setembro. Levantamos informações sobre quem teria feito isso lá. A partir dos autores de lá, nós conseguimos identificar um possível executor do crime. Conseguimos uma fotografia dele e quando nós fomos visualizar as imagens que foram filmadas no Burger King, local no qual eles pegaram o Uber. Então constatamos que a imagem se tratava do mesmo suspeito que nós tínhamos”, disse o delegado.

Os policiais apuraram também que, depois de atacar Vinícius com vários tiros dentro do carro, Arlindo fugiu do local em um VW Gol de cor branca, que de acordo com Viana, foi o mesmo veículo utilizado na primeira tentativa de homicídio. “Por isso, nós pedimos a prisão dele e de outros dois suspeitos”, completou ele, referindo-se a Wellington Gouveia, o ‘Índio’, e IsmaikeStanelly dos Santos Oliveira, apontados como os que teriam ordenado a morte de Vinícius e ajudado a fuga do executor.“Até agora esses dois só tem relação com o crime dentro do Uber, mas provavelmente todos esses crimes estão ligados a tráfico de drogas. É um grupo que não só trafica drogas, mas também pratica assaltos, temos essas informações, em especial nas cidades de Japaratuba e Pirambu”, afirma Kássio.

Os outros dois assassinatos admitidos por Arlindo são os de dois vendedores de frutas: Luiz Soares Lima, 19 anos, baleado na nuca em 28 de setembro, enquanto vendia frutas e verduras numa praça do bairro Siqueira Campos; e José Domingos dos Santos, 40, o “Pampam”, morto dentro de um depósito de frutas na Avenida Maranhão, 18 do Forte. “O que ele alega é que matou os três para não morrer. Ele nos disse que todas essas pessoas que ele matou queriam matá-lo e por isso ele foi lá e matou, mas na verdade o que a investigação sugere e encaminha é que trata-se de uma briga de ponto de drogas no interior do estado e acaba resvalando aqui na cidade de Aracaju”, conclui o delegado.