Centro de Nefrologia de Itabaiana voltará a funcionar após análise da água

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 06/01/2018 às 05:58:00

Após a identificação de problemas técnicos encontrados em equipamentos usados no Centro de Nefrologia de Itabaiana e conseqüente interdição da instituição por parte da Diretoria Estadual de Vigilância Sanitária (Divisa), em Sergipe, pacientes em tratamento de hemodiálise voltarão a ser atendidos no município. A retomada das atividades no centro acontece nesta segunda-feira (08), após terem dado continuidade ao tratamento em duas clínicas especializadas da capital, conforme intermediação da Secretaria de Estado da Saúde (SES).

O problema chegou ao conhecimento da SES no último dia 2 de setembro, quando profissionais do Hospital Regional de Itabaiana identificaram reações adversas em pacientes que realizaram hemodiálise no referido centro. Já no dia seguinte, logo cedo, profissionais da Divisa-SE e da própria secretaria se dirigiram ao município, a fim de averiguar a questão de perto e promover os levantamentos necessários. Em meio às tratativas, os 137 pacientes que estavam sendo atendidos no próprio centro foram encaminhados pela SES para outras unidades hospitalares, a fim de que a hemodiálise necessária aos mesmos não fosse interrompida.

Segundo o coordenador da Divisa – SE, Antônio de Pádua Pombo, as medidas cabíveis ao órgão, no tocante à intermediação e vigilância sanitária, foram tomadas para que houvesse resolutividade do caso com menor impacto possível a esses pacientes. “A clínica foi interditada no dia 4 de setembro, quando foram iniciadas as investigações para a descoberta de possíveis causas das tais reações adversas apresentadas pelos pacientes. Mantivemos o foco no Sistema de Tratamento de Água para Hemodiálise [STDAH], visto que é a principal substância em análise, utilizada em grande volume nos processos de hemodiálise. Embora o contrato do centro estivesse mantido com a Secretaria Municipal de Saúde de Itabaiana, a SES dinamizou a redistribuição desses pacientes em clínicas de Aracaju, viabilizando a continuidade dos tratamentos na mesma data da interdição”, esclareceu.

Pádua ainda destaca que a Divisa-SE realizou procedimentos simultâneos – a investigação e a inspeção no estabelecimento de saúde, além da coleta das amostras de água para análise, conforme a Resolução Nº 25, de 2014, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que determina que o centro em questão realize o monitoramento mensal da água por meio de um laboratório contratado, especializado em análise de água, sendo este proveniente do Estado de Alagoas.

“A Divisa-SE encaminhou coleta da água utilizada no centro para o Lacen em Sergipe [Laboratório Central de Saúde Pública], vinculado à Fundação de Saúde Parreiras Horta e que integra a Rede Estadual de Saúde. Outras duas análises foram realizadas por profissionais do Lacen dos estados de Pernambuco e de Alagoas, processo esse que durou quatro meses após terem sido realizadas coletas de amostras e análises por sete vezes. Todos os resultados foram insatisfatórios, ao contrário dos resultados das análises feitas pelo laboratório privado, contratado pelo Centro de Nefrologia de Itabaiana, que sempre deram satisfatórios”, enfatizou o coordenador da Divisa – SE.

Todos os resultados denominados insatisfatórios foram devidamente notificados ao centro para desinfecção do tratamento de água, banindo assim a presença de bactérias e outros microorganismos patogênicos, portanto, prejudiciais à saúde dos pacientes atendidos no estabelecimento. Por determinação do secretário de Estado da Saúde, Almeida Lima, uma nova análise de amostra de água foi feita na última quarta-feira, 3, no Lacen do Estado de Minas Gerais, na Fundação Ezequiel Dias (Funed), quando finalmente o resultado da análise da água consumida no Centro de Nefrologia deu satisfatório, o que torna o estabelecimento apto a proceder com sessões de hemodiálise já na próxima segunda-feira, 8.

No uso das suas atribuições, a Divisa-SE ainda estará realizando análises das amostras de água coletadas no Centro de Nefrologia de Itabaiana a cada quatro meses, e além disso, propõe discussões a serem mantidas entre gestores municipais, bem como entre representantes de órgãos estaduais e federais, para investigação sucinta do aumento significativo de cidadãos em tratamento de hemodiálise ao longo dos anos, em Sergipe.

Para o secretário de Estado de Saúde, Almeida Lima, a reabertura do Centro de Nefrologia de Itabaiana representa a normalidade dos serviços assistenciais na região, o que de forma direta aliviará o Hospital de Urgência de Sergipe [Huse], que vem atendendo os pacientes desse centro. “A SES esteve envolvida nessa ocorrência desde o primeiro momento e acompanhou através da Divisa-SE toda a recuperação dos equipamentos que processam a água para o perfeito atendimento aos pacientes SUS”, garantiu o gestor.